The Big C 3x01 - Thin Ice (Pre-air)


Cathy Jamison não morre nem tão cedo.


Contrariando a quem dizia que The Big C não poderia durar muito por se tratar de uma série sobre uma moribunda, digo que ainda tem muita coisa pra acontecer na vida desta mulher guerreira que enfrentou um terrível câncer durante os últimos 2 anos e que agora pode dizer que tem mais tempo para seguir sua vida.

A terceira temporada de The Big C começa nessa vibe. Cathy descobre que seu câncer está diminuindo, alguns na verdade até sumiram e com isso ela vê a possibilidade de viver uma vida tranqüila com sua família novamente.

Logo de início já fiquei aliviado ao ver que Paul não morreu, depois do enfarte no final da ultima temporada muitos ficaram apreensivos e chocados com esse acontecimento que poderia destroçar de vez com a vida de Cathy. Confesso que por um instante pensei que quem estava na sala escrevendo no computador e sentado no sofá de pijamas era o espírito de Paul. Já vimos esse tipo de situação com Marlene na temporada passada, que por sinal eram um dos melhores momentos.

O interessante é que Paul está tendo que tomar algumas medidas sobre sua saúde e alimentação o que acaba trazendo ótimos momentos cômicos pra série, afinal The Big C é uma dramédia e esse elemento não pode faltar de jeito nenhum.

Elemento esse que sempre fez parte do plots de Sean e que com certeza agora não será diferente. Dessa vez tudo se resumiu aos absorventes de Rebeca, que deixou o moço sozinho na fria casa da falecida Marlene. Imagine a barra de todos os dias ter que encarar os absorventes que sua ex esqueceu no seu banheiro? Sean ainda segue com a saga de ter que dar bons exemplos pra Adam, já que Cathy e Paul nomearam ele como mentor do filho caso algo ruim aconteça com os dois.

Falando em Adam é inevitável perceber que o garoto amadureceu bastante durante esse tempo que passou, parece que os problemas de saúde dos pais fizeram com o garoto se tornasse uma pessoa melhor. Assim como Andrea, ou melhor, Ababoo, que voltou de sua viagem a África cheia de alto estima e experiências vividas e aprendidas de suas “irmãs” africanas, que cheiram mal, têm Aids e mesmo assim dançam felizes envolta de suas fogueiras. Toda essa discrição saindo da boca de Andrea acaba se tornando muito mais engraçado e interessante, embora o assunto não tenha nada de engraçado.

No geral The Big C se mostrou sólida, assim como nos últimos dois anos. Episódios leves de assistir que dosam bem o drama e a comédia e ainda assim não se torna nada espetacular. Espero que continue assim e que só melhore com o passar da temporada.
Share on Google Plus

About Wellington Laurindo

Não vive sem música e tem em sua mente uma trilha para cada momento/ período de sua vida. Na vida de seriemaníaco há uns cinco ou seis anos, mas com um background de seriados clássicos desde sua infância. Está deixando a vida ditar por si própria os caminhos que deve seguir e esperando que isso venha dar certo. (@Wellington_Ign)
    Blogger Comment
    Facebook Comment