Desperate Housewives 8x22/23 - Give Me the Blame/ Finishing the Hat (Series Finale)



E chegou ao fim uma das obras mais ousadas da TV americana.

Desperate Housewives foi um grande marco pro mundo das séries por fazer um humor negro como muitos outros não conseguem fazer. Acompanhar a vida de simples donas de casa do subúrbio não poderia ser mais interessante. E ao longo dos anos a convivência com cada uma delas foi ficando cada vez melhor.

Quem acompanhou Desperate Housewives até aqui ou pelo menos por algum tempo sabe que já aconteceu de tudo em Wisteria Lane.  A começar pelo suicídio de uma das protagonistas logo no piloto. E isso não foi uma coisa boa simplesmente pelo fato de conseguir chocar a todos e sim porque as narrações e os flashbacks sobre os obscuros segredos de Mary Alice Young deram a série um tom de suspense que carregou e fez a série ficar interessante por muito tempo.

Mas não pára por aí. Witeria Lane também foi cenário pra muitas outras mortes, sejam elas causadas por psicopatas, atropelamentos, furações, explosões, acidentes de avião ou acerto de contas.

E foi exatamente uma morte no final da 7ª temporada que fez render toda a trama dessa ultima temporada. A morte de Alejandro Perez, padrasto de Gaby, causada por Carlos pra proteger a esposa de um novo ataque, fez com que as quatro as donas de casa fizessem um pacto de lealdade uma a outra depois de enterrar o corpo do falecido.

Foi a primeira vez que eu vi apenas um assunto reger uma temporada inteira sem ficar cansativo. É claro que tiveram os filers (toda série tem que ter), mas nada que fizesse o tema principal ser desvirtuado.

A culpa foi um grande elemento nessa ultima temporada e isso conseguiu extrair o melhor das atrizes, principalmente de Marcia Cross. Bree conseguiu proporcionar um dos cliffhangers mais épicos de toda a série quando ameaçou se suicidar com um tiro na cabeça, exatamente como Mary Alice fez no início da série.

Já a culpa de Susan, como sempre, fez com que a personagem passasse pelos momentos mais ridículos e constrangedores. E foi aí que entrou o tom de comédia que DH tinha e sempre fazia muito bem.

Entre muitas tramas e confusões, quem acabou ficando na mira dos investigadores foi Bree. E acusada de matar Alejandro ela foi levada a julgamento.

O ultimo episódio foi cheio de surpresas e fechamentos não tão esperados. Começando por dizer que eu não esperava que Renee fosse depor contra Bree, apesar de entender seus motivos. Ela tinha total razão ao dizer sobre a forma que as meninas a tratavam. Reneé sempre foi negligenciada, seu foco sempre foi nos momentos cômicos dos episódios e creio que realmente ali naquele cenário do assassinato não tinha espaço pra ela.

Achei cretiníssimo colocarem Karen pra descobrir toda a verdade e se declarar culpada pela morte. Muito conveniente e mesmo assim não deixou de ser bom. Confesso que eu achei que fossem descobrir a verdade e no final todas passariam alguns anos presas, mas isso não caberia muito bem no clima final da série.


Um dos melhores momentos foi a reconciliação de Lynette e Tom que estavam separados desde o final da ultima temporada. Demorou um ano pra ambos descobrirem que os problemas que eles tinham eram muito menores que amor construído durante anos. Não tinha como ser diferente, depois de anos juntos, separá-los seria uma péssima decisão.

Já no caso de Susan não sei o que pensar. A morte de Mike foi um choque pra mim, mas ela terminar sozinha não foi ruim. Fiquei bem emocionado na cena em que ela deixa Wisteria Lane com Julie e M.J. e todos as pessoas que já morreram ali vigiam ela dar a ultima volta pelo bairro. “Uma pessoa sabe que ficou velha quando suas memórias se tornam mais importantes que seus sonhos”. Essa frase diz muito sobre o futuro da personagem, que não foi mostrado, mas que pode ser formulado de várias formas em nossas mentes.

Aliás, toda a seqüência em que a série mostra o futuro de cada uma foi lindíssima. Lynette seguindo o sonho profissional em NY junto com Tom e mais tarde brincando com seus seis netos no Central Park. Bree seguindo a carreira política por incentivo de Trip. Gaby conseguindo seu grande sonho de ter um programa de TV e vivendo feliz com suas discussões diárias com Carlos.

E até Renee teve sua chance de brilhar. A segunda parte da series finale foi marcada pelo grande dia dela e o que não faltou foi confusão. A começar pela bolsa de Julie estourar na Limusine onde levava Renee pro casamento. E pra fechar, as famosas trapalhadas dessas donas de casas foram engraçadíssimos com Gaby e Renee roubando o vestido de noiva da loja e saíndo correndo até o casamento.

Um dos momentos mais emocionantes foi a morte de Karen. Gostava demais da personagem e sempre senti que ela era parte importante desse grupo de donas de casa. E essa ligação dela ficou mais que provada no julgamento de Bree.

Pra finalizar não poderia deixar de comentar que a mesma história se repetiu. Uma nova dona de casa chega com um grande segredo e o melhor foi a frase que Susan disse a nova moradora: “Essa rua pode significar muitas coisas, tédio não é uma delas”. E a gente sabe bem disso.
Share on Google Plus

About Wellington Laurindo

Não vive sem música e tem em sua mente uma trilha para cada momento/ período de sua vida. Na vida de seriemaníaco há uns cinco ou seis anos, mas com um background de seriados clássicos desde sua infância. Está deixando a vida ditar por si própria os caminhos que deve seguir e esperando que isso venha dar certo. (@Wellington_Ign)
    Blogger Comment
    Facebook Comment