Glee 3x20 - Props


Um episódio para nos animar.

Nesta semana Glee apresentou um episódio duplo. Mas eu, Gabriella, serei obrigada a fazer as reviews separadas. Motivo: tenho muita coisa para falar.

Primeiramente, este 20º episódio foi muito divertido. Finalmente deram destaque para Tina, Eu gostei muito de ver este troca troca imaginário na cabeça da asiática, pena que durou pouco. Queria ver o episódio inteiro assim. Os atores deram um show imitando outros personagens, destaque para Finn e Puck como Kurt e Blaine, respectivamente. Lea Michele está cada vez mais linda e como asiática não foi diferente. 

No final Tina percebeu que Rachel é a alma do coral sim, e que ano que vem, será a vez dela brilhar. Assim lindo demais ver as duas correndo atrás da Whoopie. O jeito como Rachel é, é exclusivamente dela. Tina a defendendo e dizendo que ela precisa vir para as Nacionais, nossa, nem me fale, foi incrível. Sim, a Rachel é chata, dramática, mimada, mas é uma excelente cantora. É uma diva. Espero vê-la brilhando em NY.

E novamente vimos a história de Bestie se solucionando. Achei interessante colocá-la junto com a história de Puck. Irei sentir saudades deste rapaz de moicano. A relação das duas histórias foram o ponto alto do episódio e nem Kurt com seus dilemas e Rachel com seus problemas, superaram a cena em que Bestie sai de casa e conta toda a verdade para Sue. O abraço das duas parecia tão sincero, mas tão sincero, que achei justo ver a treinadora Bestie indo para as nacionais com o coral.

E assim, com Rachel e Tina arrasando na performance de Flashdance, What I Felling, vimos o nosso amado coral entrando no ônibus e partindo para a competição mais importante para eles e, para alguns, a última oportunidade de brilhar. Oportunidade esta que vale ouro. Não há dúvida nenhuma que, apesar do seriado ter sido renovado e que alguns irão embora, estes momentos jamais serão esquecidos pelos fãs. A emoção que cada ator passou nestes momentos finais, foi realmente algo que lembre despedida. 

PS 1: Ver Puck vestido de mulher não tem preço que pague. Ops, na verdade a melhor cena foi ver Mark Salling e Cory Monteith abraçadinhos e apaixonados como Blaine e Kurt, cena memorável para mim.
PS 2: Adoro ver a Sue chamando Kurt de porcelana. Ela insistindo com que ele se vestisse de transformista para tentar vencer Vocal Adrenaline foi algo que sentia falta no seriado, este lado ameaçador de Sue Silvestre.
Share on Google Plus

About Gabriella Siggia

Formada em Direito, eterna estudante, bem humorada, alto astral e alegre, mora em São Paulo. Viciada em músicas, filmes e seriados americanos. Seriemaníaca de carteirinha! Mantém um blog pessoal em : http://gabyscseries.blogspot.com/ (@gabyever)
    Blogger Comment
    Facebook Comment