Saving Hope 1x02 - Contact


Depois de um piloto que dividiu opiniões e está dando o que falar até agora, o segundo episódio da série canadense Saving Hope veio para bagunçar mais ainda as opiniões do público, incluindo as minhas. Na semana passada eu me derreti em elogios para a série mas tenho que confessar que depois desse episódio eu fiquei um pouco decepcionada. Creio que o maior problema não esteja no enredo em si, até porque dentro da classe de séries médicas a trama é bem original, mas sim na forma como isso está sendo abordado.

Nessa semana eu não consegui nem me envolver com os casos paralelos. O da mulher que precisava de uma transfusão de sangue mas se recusava a fazer por conta de sua religião não me convenceu nem de longe e olha que eu me esforcei pra gostar. Preferiram dar prioridade a tensão sexual entre a médica japonesa do Paraguai que já tem o meu ódio e o Dr. Joel (Daniel Gillies sem camisa foi a melhor coisa do episódio) do que ao caso em si. Super dispensável!  

O caso do garotinho Cal, que tinha paradas cardíacas constantes por conta de um tumor foi um pouco mais interessante, porque pudemos 'ver' essa ponte entre vida e morte, já que o menino podia falar com Charlie e mesmo que indiretamente, dar a Alex uma espécie de sinal de que o noivo ainda estava lá. Mesmo assim, senti que Erica (com todo o amor que eu tenho pela atriz, por favor) não está conseguindo passar a dor de alguém que vê noivo em coma. 

A participação de Dawn, a ex mulher de Charlie, foi ok. Eu não sei em que mundo alguém reagiria tão bem ao ver a ex acariciando o seu noivo, mesmo com ele em coma, mas tudo bem, vamos relevar esse detalhe. A ideia de Dawn de tentar terapias alternativas, algo que Alex rejeitava, acabou sendo útil já que foi através de uma estimulação musical que Charlie fez os primeiros movimentos com as mãos e reascendeu as esperanças de Alex. Aliás, bonita a cena em que Charlie fala 'eu te amo' para ela pela primeira vez... Bem realista, com todo aquele clima 'estranho porém bom' que sempre rola nessas situações. 

E cadê a continuação da história mal explicada de Alex e Joel? Fiquei achando que ia saber mais sobre isso mas não colocaram nenhuma cena decente entre os dois nesse episódio. Posso falar de novo que estou com vontade de linchar aquela japonesa? Que personagem mais dispensável e irritante gente... E o mais difícil é admitir que do primeiro episódio pra cá, ela ganhou mais espaço e provavelmente assim será daqui pra frente. 

O ponto alto da série, além de Daniel Gillies como já mencionei mil novecentas e quinze vezes, é a trilha sonora. Muito amor por todas as músicas que tocaram no episódio... A primeira coisa que eu faço depois de assistir é ir correndo caçar as bandas e me apaixonar. Por isso, aproveitem a dica e façam o mesmo, não vão se arrepender.

Apesar de ter me decepcionado um pouco, ainda consigo enxergar mais motivos pra continuar do que pra parar por aqui. Por isso eu conto com a companhia de vocês pra ver o seriado e acompanhar as reviews. Fiquem com a promo de "Blindness", episódio da semana que vem e até lá!
Share on Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment