Criminal Minds 8x03 - Through The Looking Glass

A verdade os libertará. Esse episódio foi estressante. Sabe aquele em que tu fica ancioso o tempo todo? É esse.

Primeiro, já começa de um jeito intrigante. Até porque um mendigo, no meio do nada, saindo da floresta com sangue nas mãos nunca acaba bem.

O psicopata da vez é um que resolve mostrar que família é a coisa mais importante na vida, e que também toda família mente, apesar das aparências. Pra provar isso, ele faz como todo mundo faz, terapia em família. Por terapia, eu quis dizer sequestro, e por família, eu quis dizer usar o irmão mais novo como refém pra família participar da terapia.

Vamos falar da terapia, que tal? Bem, é basicamente assim. Ele prende os três membros (pai, mãe, irmã mais velha) num porão e usa o irmão mais novo pra deixá-los com medo, sem saber aonde o moleque foi parar ou se ele sequer vive. Em qualquer terapia, o terapeuta faria a família se abrir e conversar sobre seus problemas e se acertar. Esse, esfrega as mentiras na cara. Tipo, se o pai está tendo o caso, porque não pegar a amante do pai, amarrá-la numa cadeira e fazer o pai confessar; e quando ele se faz de burro, atira na pobre coitada e a mata. Segundo passo, a filha. Ela foi o menor dos problemas já que confessou que era drogada e que a culpa era da mãe que estava mais interessada em dinheiro do que na própria família (fato que acabou comprovado pelo próprio marido). Aí vem a mãe, o ser humano mais honrado que conheceremos nesse episódio.


A mãe, aquela que pega empréstimos com agiotas e não paga, aquela que sabia do vício da filha e não fez nada para que os vizinhos não soubessem (os americanos e essa tal popularidade) e também aquela que quando o ahn, terapeuta, a mandou escolher entre dinheiro e a vida do namorado da filha, escolheu o dinheiro. E não mudou de ideia quando foi lembrada que o genro querido, apesar de ser um drogado e tudo o mais, era o filho de alguém. Enquanto isso, o filho mais novo, que tem Asperger, fica com toda a diversão: conversa com o psico, pinta samurais de brinquedos e arromba portas (vai, admite, eu sei que tu já tentou fazer igual nessas séries onde as pessoas pegam dois pedaços de metal e tentam abrir as fechaduras e abrem em segundos. Eu sei que eu já tentei). Pois então, o moleque consegue. Foge. E é recapturado. Mas que isso elevou o status badassness dele, elevou.

Ah sim, é bom falar que a nossa querida equipe fez de tudo pra poder achar eles e acaba achando antes que qualquer dano mortal fosse feito (contra a família). Até porque o endgame do terapeuta era: se vocês querem salvar seu filho, se matem, tomem a arma, comecem a atirar.

Esse episódio foi sem sinal de dúvida o melhor da temporada, tá que é só o terceiro, mas isso é um bom sinal, não é? E que fofo foi o Hotchner, até que enfim sendo feliz um pouco com o filho dele? E a Garcia, toda amável com drinks apreciando a família?
Share on Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment