Fringe 5x03 - The Recordist


Você está disposto a escrever ou fazer parte da história?

É com enorme satisfação que eu digo que essa semana Fringe fez um episódio pra ninguém botar defeito. Digo isso pra mim mesmo também, principalmente por que reclamei de algumas coisas na semana passada.  Dessa vez a série além de desenvolver uma boa história ligando o enredo das fitas e do plano arquitetado para eliminar os Observadores, nos envolveu  explorando uma área bem emocional dos personagens.

É preciso relatar que Walter é o ser mais confuso da face da terra.  Ele gravou as fitas na ordem errada e sem saber qual seria a próxima para dar sequencia ao plano. Mas também era de se esperar algo inusitado depois dele ter fumado um baseado. Mas enfim, isso serve pra trazer bons momentos de alívio cômico que é marca registrada do personagem.

O plano em si parece ser algo grande. O lance de conseguir os tais cristais que passarão por uma espécie de refinação e que virará fonte de energia para a fase final do plano me pareceu bem interessante. Mas obviamente não foi fácil consegui-los. Toda história trabalhada em volta do acampamento de refugiados que foram expostos aquela reação química, além de não deixar a desejar na parte da tensão, tocou bastante no lado emocional.

A relação de Edwin e seu filho River foi contada de uma forma muito bonita. E é aqui que eu consigo explicar a frase inicial da review. É visível que a intenção de Edwin é ajudar o pessoal da Fringe Division, mas como ele mesmo falou, sua função era estar ali pra registrar os acontecimentos da humanidade, mas em certo momento ele ficou na dúvida entre continuar registrando tudo isso em cubo de dados ou fazer parte dessa história sacrificando a própria vida. Foi muito legal ver River assumindo o lugar do pai nessa função de registrar tudo, tarefa que ele iniciou relatando o ato de bravura do pai. Excelente sequência, excelente história.

Um efeito emocional também fez parte do desenvolvimento da relação entre Olivia, Peter e Etta. A família parece estar cada vez mais unida, o que é ótimo de se ver. Momentos como a cena final em que Olívia faz um gesto de carinho na filha provam essa ligação que está sendo criada. E a admiração de Etta não só pela mãe como por toda a equipe acaba sendo tão sensacional que nos faz ter o mesmo sentimento. Admiração essa que não veio só de Etta e acabou sendo demonstrada em forma de HQ. Quem não surtou ao ver os quadrinhos feitos por River e desejou muito que lançassem HQs de histórias alternativas de Fringe? Compraria todos!

Um grande mistério lançado nesse episódio é o homem chamado Donald. Ele também esteve atrás dos minerais em 2015, mas foi capturado pelos Observadores. Creio que ele possa fazer parte do plano, afinal, não há registros de Walter naquele acampamento e ele pode ter sido a fonte para que essa parte do plano fosse arquitetada.

Descobrimos também que existem sim pessoas infiltradas no meio dos Observadores como informantes para Etta e isso já facilita muito a jornada da equipe. Mas ainda me incomoda um pouco o fato de que Windmark no episódio passado teoricamente esteve muito perto de capturá-los, mas deixou passar. Isso me soa como amadorismo, coisa que a gente sabe que vindo dos Observadores é impossível. Mas enfim, vamos nos ater as coisas maiores e que fazem a série ficar interessante.


O Glyph Code da semana trouxe a palavra ANGER, cujo significado é RAIVA. A palavra não se encaixa em nada a não ser em Olívia que se sentia meio que com raiva de si mesma por causa do desaparecimento de Etta. Ela mesma disse que achava que era uma espécie de punição por ela ser muito conflituosa e não ter aproveitado o momento que tinha a filha nos braços. Pode ser também que signifique algo que venha nos próximos episódios. É esperar pra ver.

PS: Olívia errando as coordenadas no início do episódio pode se considerar uma coisa preocupante, já que ela nunca erra ou esquece?


PS²: Gene ainda existe e aonde a gente imaginou que ela estivesse.
Share on Google Plus

About Wellington Laurindo

Não vive sem música e tem em sua mente uma trilha para cada momento/ período de sua vida. Na vida de seriemaníaco há uns cinco ou seis anos, mas com um background de seriados clássicos desde sua infância. Está deixando a vida ditar por si própria os caminhos que deve seguir e esperando que isso venha dar certo. (@Wellington_Ign)
    Blogger Comment
    Facebook Comment