Criminal Minds 8x05 - The Good Earth

Eu não sei o que eu tenho mais medo: assistir um episódio de American Horror Story: Asylum a noite ou uma mulher psicopata.

Nesse episódio, um monte de homens começam a desaparecer numa cidade no meio do nada e a polícia não tem nenhuma pista: carros desaparecem; evidências, provas e testemunhas não existem. Ou seja, é como se eles tivessem sido abduzidos.

No total, foram sequestrados 4 homens. E a trama se complica quando do nada, a vítima mais recente foi afogada num rio. O que não faz sentido nenhum já que as outras 3 vítimas continuam desaparecidas. Aí com o resultado da autópsia, a coisa se complica mais ainda: o cara foi sedado com uma pancada de coisas diferentes, pra ele não sentir nada (acho eu) e encontraram serragem no nariz dele (dentro, dentro do nariz do cara). Com a informação do cuidado que o unsub teve ao se desfazer do corpo e de que ele foi morto porque estava com câncer e era doente, surge a nova hipótese: o psicopata louco é na verdade uma mulher louca (o que todo mundo sabe que é mil vezes pior, já que uma mulher vingativa é perigosa, imagina uma que de fato mate).

Com essa informação revelada, a gente pode ver como é a vida dessa mulher e eu te digo: ela é insana. Primeiro, que ela coloca todos os caras no estábulo de cavalos, sim, até esse ponto as outras 3 vítimas estão vivas. Segundo, ela coloca um tubo no nariz deles e os alimenta, com o que depois de um tempo, descobrimos que é ração pra gado. Terceiro, ela planta uns tomates realmente muito bonitos. Quarto, ela tem uma filha. Quinto, ela além disso tudo é hipocondríaca e acha que tem um problema de pele. Ou seja, lunática total. A cereja do bolo: ela do nada se cansa de um deles e resolve cortá-lo em pedacinhos e passar por aquela máquina que tem em fazenda pra triturar madeira, sabe? Pois é. Os sobreviventes caem pra dois. Aí ela cansa mais ainda e faz o mesmo com outro. Pra piorar a minha boca, que já estava aberta com tanta surpresa e imaginando de onde vem a imaginação desses roteiristas: ela sequestra uma mulher grávida, faz o parto da mulher (que só era pra acontecer em 3 semanas), larga a mulher e a criança no estacionamento do hospital e fica só com a placenta dela (sim, tu leu certo). Só que sobra pra coitada da filha dela, que a mulher começa a ver problemas de pele na menina e faz a mesma coisa que ela fez: comer a placenta. Nesse momento eu já estava largando o saco de biscoito que eu estava comendo.

Com a precisão da cesariana que ela fez na mulher grávida, nossa bela JJ dá uma ideia que acaba sendo a certa: fazendas. Pessoas que trabalham em fazenda sabem fazer partos de animais quando necessário. E aí chegam na mulher, que nessa altura do campeonato tinha sedado a filha, que pra ela estava doente, e enterrado ela no jardim onde estão seus belos tomates (ah, um detalhe que esqueci de comentar, quando ela triturava os homens, ela usava os restos deles como adubo... isso leva a frase "os homens não prestam" a um nível completamente elevado) com a única vítima que ainda estava vivo (por pouco) sangrando em cima da filha pra terra curá-la (eu disse, insana).

Esse foi o primeiro episódio que olhei pra nova adição do clube, Agente Blake, e pensei: até que tu serve pra alguma coisa. A sacada dela de pegar as cinzas da lareira e dizer pra mulher que eram as cinzas do falecido marido e podiam curar a filha, foi excelente. Mas eu ainda não tô indo com a cara dela, só no final da temporada vou saber se a resposta dos fãs com a personagem é boa ou não (tradução: se ela for assassinada ou não na season finale).


E o que foi essa cena do Henry (filho da JJ) fantasiado para o Halloween de Agente Spencer Reid? Com certeza o momento mais fofo da temporada até agora. Provavelmente o único, já que é difícil ter fofura em Criminal Minds. Só achei frustrante não ter mais nenhuma dica sobre o novo unsub do primeiro episódio e nem o mistério da namorada do Reid.
Share on Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment