Emily Owens M.D. 1x11 - Emily and... the Teapot


Às vezes a paciência é a única opção nas nossas vidas.

É impossível não se apaixonar pela Dra. Owens. E vai ser muito difícil se acostumar sem vê-la toda semana. O seriado vai deixar saudades e a maior prova disso foi este episódio. Como não amar os conflitos de Emily Owens? Impossível. O episódio retorna com o clássico triângulo amoroso (ou seria um retângulo?): de um lado Emily está convicta de que Will está apaixonado por ela; de outro, Micah está relutando para não colocar seus sentimentos à tona. Como o seriado está para se encerrar, pergunto aos produtores e roteiristas se nós nunca iremos ver Emily com Micah ou Will? Minha torcida é para o Micah, claro! Mas entenderia muito bem se ela e o Will ficassem juntos, afinal, ele não é de se jogar fora.

Sendo pressionado por sua mãe e por seu amigo a contar a verdade sobre seus sentimentos à Emily, Micah começa a perceber que talvez haja um futuro para eles dois. Claro que no momento em que ele finalmente ia contar (deve ser efeito da bebida, mas e daí?!) algo dá errado. E este algo é justamente a melhor amiga da Emily. Tyra acaba levando um fora da nova médica, que só queria fazer um test drive com mulheres. Mais clichê que isso, impossível. Mesmo assim, nós adoramos os clichês deste seriado.

Enquanto isso, no hospital, Emily, Will e Cassandra acabam competindo entre si pela vaga de assistente da Dra. Bandari. Para isso, eles tem que gravar um vídeo e, como sempre, o lado tímido da Emily prevalece e ela tem problemas para gravar uma singela e simples homenagem. O mais interessante é que enquanto Cassandra tentava puxar o saco da médica e Will tentava apaziguar a situação entre a amiga e a namorada, Emily foi a mais autêntica dos três. Talvez seja isso e o simples fato dela se importar com os pacientes que a fizeram vencer a competição e se tornar a nova assistente da Dra. Bandari.

O mais legal na Emily é que ela realmente se importa com as pessoas, faz com que seus pacientes contem para ela coisas que poderão ser úteis e está sempre tentando ser otimista. E é por isso que a gente acaba se identificando tanto com ela. Como não se apaixonar pela Dra. Owens quando a mesma escolhe ficar ao lado do Micah quando a mãe dele piora ao invés de ir ao evento? Como não torcer para que ela seja feliz? Como não esperar que Micah se declare para ele e que os dois fiquem juntos? 

Os casos médicos foram bem polêmicos, como sempre. Adorei a história da mãe que levou um tiro quando estava grávida e que acabou prejudicando a saúde do filho adolescente. Ainda mais quando os médicos acreditam que houve um milagre em relação a bala estar alojada no pulmão do garoto, vez que ele não possui cicatrizes de entrada da bala. Também fomos apresentado a um caso de Síndrome Marfan (é uma desordem do tecido conjuntivo caracterizada por membros anormalmente longos. A doença também afeta outras estruturas do corpo, incluindo o esqueleto, os pulmões, os olhos, o coração e os vasos sanguíneos, mas de maneira menos óbvia). E como sempre, Emily estava lá, paciente e otimista para bons resultados.
Share on Google Plus

About Gabriella Siggia

Formada em Direito, eterna estudante, bem humorada, alto astral e alegre, mora em São Paulo. Viciada em músicas, filmes e seriados americanos. Seriemaníaca de carteirinha! Mantém um blog pessoal em : http://gabyscseries.blogspot.com/ (@gabyever)
    Blogger Comment
    Facebook Comment