Freaks Look: The Following




Uma média de 300 serial killers existentes no EUA e se eles se juntassem em prol de uma causa e de um líder?

Essa é em tese a história central de The Following, nova série da Fox que estreou muito bem de audiência nessa segunda-feira. Um dos pilotos mais aguardados por mim particularmente, a criação de Kevin Williamson (Dawson's Creek, The Vampire Diaries e os filmes da franquia Pânico) conta com um elenco principal de peso e fez um piloto primoroso, digno de toda expectativa que eu estava em relação a todo material que saiu nos últimos meses sobre o seriado.

Joe Carroll (James Purefoy - Roma), é um serial killer condenado e datado para execução pela morte de 14 garotas, todas estudantes da universidade onde ele era também um aclamado professor de literatura. Fascinado pelas histórias de Edgar Allan Poe, era em suas obras que ele baseava sua motivação para "fazer arte" da morte de jovens e bonitas mulheres. A história já começa nos mostrando quão ágil e esperto Joe é, já que ele consegue derrubar 5 policiais e sair da prisão livremente se passando por um deles.

É quando somos apresentados a Ryan Hardy (Kevin Bacon - Footloose,  O Retorno de um Herói), o ex-agente do FBI que foi capaz de prender Joe 8 anos atrás e que escreveu um livro de sucesso sobre a história da captura. Hoje, sozinho, numa vibe alcoólatra e com um marca-passo no coração para lembrá-lo eternamente do dia em que conseguiu enfim capturar o assassino. Com a fulga de Joe somos apresentados ao resto dos personagens. No lado policial temos o agentes Reilly (Billy Brown - Dexter) e Mason (Jeananne Goossen-Alcatraz) que não se mostram muito contentes em serem obrigados a trabalhar com Hardy e ainda meio que serem responsáveis pela atitudes deles, que, diga-se de passagem não tem um histórico tão bom assim, nada escancarado nesse piloto mas já sabemos com que olhos outros policiais vêem o Ryan. No lado oposto, o de adoração, temos Mike Weston (Shawn Ashmore - Smallville), o jovem agente que se ver honrado em trabalhar com um dos caras que ele mais admira dentro do FBI.

Para completar temos Claire Matthews (Natalie Zea - Justified), a ex-mulher de Carroll com quem Hardy já teve um caso no passado ainda na época da investigação. Aqui entra um dos lados mais promissores da história. Sem dúvida que a ligação entre os dois principais vai além daquela obsessão de 'eu consegui te prender vs eu sou capaz de me superar e fazer você sofrer por não me pegar outra vez', e essa ligação se dá através da Claire. Talvez esse Q de vingança do Joe não aconteça somente por ter sido pego pelo Ryan e ter tido seu trabalho "interrompido" mas sim porque o Ryan 'roubou' a única mulher que ele realmente amou, palavras do próprio Joe.

Falando de trabalho interrompido e sendo o centro da história nesse piloto existe a Sarah Fuller (Maggie Grace - Lost), uma sobrevivente ao ataque do Joe e um dos maiores orgulhos do caso para o Ryan. Todo o brilhante plano executado por Joe durante o episódio, plano esse que como vimos foi minunciosamente planejado por anos, tinha como início a morte da Sarah, na mente doentia dele, a obra que ele não tinha sido capaz de finalizar. Eu eu já achei sensacional a morte da primeira seguidora dele com finalidade de apenas deixar mais uma mensagem ao FBI e o guardinha lá já era meio fácil de prever, afinal, por mais genial que o Carroll possa vir a ser ele precisava de um comparsa para sair da prisão e arrecadar seguidores literais usando a internet.

Mas definitivamente genial o que ele fez com o casal gay vizinhos da Sarah e com a moça que ajudava a cuidar do seu próprio filho. Digo, se o cara teve a paciência de conquistar dois outros para fingir ser um casal gay e morar ao lado da menina por 3 anos antes de agir, quem sabe mais do que ele é capaz? E de tudo que ele já tem arquitetado? Todas as cenas de suspense da série foram bem executadas, destaque pra descoberta do fundo falso que dava para a casa dos vizinhos, até aquele momento eu ainda não fazia ideia de que eles também eram parte do plano. Destaque para as cenas de matança também, a mulher enfiando uma mini estaca no próprio olho, a Sarah pendurada de ponta a cabeça sem os olhos ou até o pobre do cachorrinho sendo cobaia das aulas de How To Be a Serial Killer 101.

Num piloto ágil, The Following consegue definitivamente conquistar e deixar você intrigado e louco para saber a continuação do rumo dessa história. Sabemos que Joe sequestrou o próprio filho para obter a atenção da esposa e sabemos que a intenção dele é criar uma nova história, uma história digna e que chocará todos que a vivenciarem e a conhecerem, e sabemos que ela terá o Ryan como o herói falho, aquele atrás de redenção. Estamos apenas no prólogo, e eu mal posso esperar pelo próximo capitulo.

P.S - Cena final entre os antagonistas teve um diálogo sensacional e a sincronia entre os dois atores é visível, ambos mandaram super bem.

P.S¹ - É só comigo ou mais alguém não consegue ver o Kevin Bacon como o "good guy", vai que no futuro ele se revele um assassino também e vire um novo follower. #brinks

Share on Google Plus

About Rebeca Barros

Sarah, we make a family, yes? (@bkbarros)
    Blogger Comment
    Facebook Comment