NCIS: Los Angeles 4x12 - Paper Soldiers

Hetty é sempre boazinha.
-Hetty

O caso da vez foi meio 'han, o que?' mas não quer dizer que tenha sido ruim, só meio nada a ver. Um fuzileiro morreu em combate no Afeganistão/Paquistão (um ão desses da vida) só que como era uma missão confidencial, os Fuzileiros não puderam explicar para a viúva as circustâncias da morte. E ela, que parecia uma das fãs de Dan Brown, achou que existia uma conspiração escondida por aí e então o que ela faz? Colocou a boca no trombone e contou pra imprensa Contratou um detetive particular para investigar, só que para a sorte dela, o cara foi assassinado. Suspeito né? Certeza que foram os Marinheiros que mataram um cidadão americano - sim, essa foi a resposta lógica que ela achou. E quando eles (Sam, G. e viúva) foram no necrotério e a mulher achou o braço do marido morto leve demais só pra ficar sabendo que ele virou doador de tecidos sem consulta-la? Mais um ponto para a conspiração. Para piorar, cada vez que a investigação dava em alguma coisa, alguém chegava na frente e passava a perna neles? As coisas ficaram piores quando a culpa acabou caindo em cima da Rose (para quem não se lembra, ela era a legista pela qual o Nate tinha uma super queda desde a primeira temporada) e o Nate (que voltou para esse episódio) teve que interroga-la, coitada.

Acabou que era uma 'operação conjunta' entre o outro legista amigo da Rose, Ian e a casa funerária mais bizarra com a recepcionista que me dava mais medo do que a Melanie Martinez do The Voice jamais me deu. Basicamente o Ian falsificava os documentos dos mortos (que nem podiam descansar em paz) e os classificava como doadores de tecido e ele e o Diretor da funerária bizarra vendiam no mercado negro - por 200 mil dólares o kilo. Ou sejam, sem conspiração do governo americano, - que pena - e pura maldade e ganância do legista e do Diretor.

Com isso resolvido, vamos a parte interessante. Apesar de não ter sido o caso mais legal ou intrigante, foi um dos episódios mais engraçados.
 
Primeiro, a volta do Nate. Eu fiquei meio 'haaaan' com a volta dele, até porque o Nate desde a primeira temporada nunca adicionou nada à equipe. Ele era como uma mosca na parede, sempre lá mas nunca presente. Ele não fazia a mínima diferença quando era fixo e agora então, menos ainda. Isso pareceu uma desculpa para que o Peter Cambor voltasse - como se ele não estivesse fazendo nada da vida e um roteirista sentiu pena ou algo assim. Inicialmente, a Hetty que pediu que ele viesse e todos começaram a achar que era para a tal avaliação psicológica que eles sempre fogem o mais rápido possível mas como sempre, a Srta. Lange estava a um passo a frente e o chamou porque a baixinha é esperta e sabia que eles iam precisar dele para falar com a Rose. "Isso é um jogo e você é um peão" - Hetty para o Nate sobre a volta dele.
 
Segundo, o Eric todo feliz porque finalmente conseguiu dar uns pegas na Nell que saiu anunciando de cara o que aconteceu para o Nate - isso porque tudo que o Nate fez foi perguntar se eles estavam bem. Sempre que tem uma cena entre eles dois, eu me divirto demais. Eles sempre tiram um pouco da tensão que existe entre os casos e é bem legal ver como os dois estão ganhando bem mais espaço na série. Bem que podiam repetir a dose e a Hetty manda-los para uma missão em campo também. "A gente se beijou" - Eric para o Nate após a simples pergunta "como vocês estão".

Terceiramente Terceiro, Kensi e Deeks. Sério? Não tem como ser mais fofo esses dois. O Deeks todo preocupado porque ela chegou no trabalho com o rádio tocando My Chemical Romance e para ele, isso é sinal de mau humor e ele querendo que Sam e Callen fingissem que não perceberam para não incomoda-la. E ele estava certo, o motivo do mau humor era porque ela matou a 12a planta desde Julho, um cacto "você matou uma planta que sobrevive no Vale da Morte?" - G. A Kensi sentindo pena dos clientes dele quando o Deeks era defensor público "como as pessoas confiavam em você assim? Cabelo desse jeito e barba mal feita?". Sempre que os dois saem para investigar alguma coisa ou revistar um local, temos cenas engraçadas: Deeks sapateando na sala do detetive particular porque da última vez, ele encontrou o esconderijo da bomba nuclear (e sim, dessa vez ele também encontrou uma pista); Kensi e Deeks discutindo para ver quem abriria a portinha do forno de cremação (é esse o nome?) da funerária para verem se não era o suspeito que estava sendo torrado; Kensi querendo saber porque diabos o Deeks tava abrindo os caixões e olhando dentro (era pra ver se o Ian não estava se escondendo mas acabou que ele estava morto com um tiro na testa). Bem que podia parar a enrolação e esses dois se pegarem e LOGO!

Mas o prêmio desse episódio vai para a Hetty. Linda Hunt mostrou mais uma vez que, apesar de todo o romance, tensão e ação, quem comanda essa série é ela e mais ninguém. Vamos aos 'porques':
  1. O fato dela trazer o Nate sabe-se lá da onde ele estava dessa vez porque ela tinha certeza que iam precisar dele antes mesmo de qualquer descoberta ter sido feita nessa investigação. "Quando eu o visitava, eu jogava xadrez com o Mikhail (Gorbachev). Eu o deixava ganhar de vez em quando para que a Guerra Fria continuasse fria". -Hetty explicando para o Nate o porque dele ser um peão no jogo;
  2. O fato dela conseguir ser boazinha com o chato do Owen que com certeza estava berrando no ouvido dela para resolver o caso e logo. Hetty é sempre boazinha. - Hetty quando o Sam questiona ela sendo boazinha.
  3. "Esse é o Felix, ele é como um segundo filho para mim". - Hetty sobre o bicho extremamente estranho que ela tinha pendurado no pescoço durante a missão.
  4. E simplesmente pelo fato dela fazer um homem do tamanho do Sam tremer nas bases quando confrontado.
Share on Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment