Grey's Anatomy 9x16 - This Is Why We Fight

Os dias de glória voltaram.

Essa temporada de Grey’s Anatomy vem seguindo um bom caminho e a safra de bons episódios já está presente há algum tempo, mas precisei esperar um pouco pra comprovar se isso não seria passageiro. Infelizmente não sabemos até quando isso pode permanecer, pois nossa querida showrunner e roteirista, titia Shonda, sabe muito bem o que é desenvolvimento, mas quando o assunto é início ou fechamento a gente sabe que a coisa pode ser bem diferente. Mas o que vale agora é aproveitar esse momento de glória que a série está passando com uma trama que tornou uma das mais interessantes em nove anos.

A saga da luta pela venda/compra do hospital continua de forma muito interessante e assim como na semana passada os momentos de Meredith e companhia foram os melhores. Cada reunião que serviu de escada para chegar ao possível grande investidor trouxe uma nova dinâmica em relação aos tipos de cenas que estamos acostumados a ver. Novos ambientes são sempre bem vindos quando a rotina é só corredores hospitalares.

A vida pessoal de alguns foi deixada um pouco de lado, mas tudo porque realmente não é tempo de muitos dramas amorosos. Arizona e Callie, assim como Meredith e Derek vivem bem. No núcleo do principais o único casal que ainda considero instável é Cristina e Owen por ainda não ter uma definição do que eles são. E o que movimenta a parte romântica e faz a gente se importar de verdade é a história de Karev e Jo que anda sendo construída lentamente, porém de forma leve e coerente. Os sentimentos dela por ele estão começando a se aflorar quando ela vê a possibilidade de não vê-lo mais durante todos os dias.

Já o envolvimento de Avery e Stephanie não é uma das coisas mais agradáveis que eu vi na série e ao contrário de Karev e Jo, que formaram uma coisa bem orgânica, não consigo ter muita simpatia pelo casal, o que poderia ocorrer mesmo sabendo que o destino dele é ficar com April. A notícia sobre o investimento de Catherine no hospital chegou na melhor hora, mas também trouxe a surpresa por colocar Jackson como presidente já que a fundação Haper Avery entrou com a maior parte do dinheiro. Certamente isso provocará vários conflitos entre os médicos, começando pelo próprio Avery que não aceitará isso tão facilmente.

Ainda teve Bailey como o coração do hospital se desdobrando e se importando mais do que nunca pra que tudo desse certo. A personagem junto com os novos internos cumpriu bem o papel de alívio cômico, que dessa vez não foi nem tão cômico, mas que serviu pra trazer aquele espírito mais leve ao episódio. E esse sem dúvidas é um grande trunfo da série, pois conciliar drama e comédia sem perder o tom não é fácil, mas titia Shonda consegue e ai de quem duvidar de seu grande poder como roteirista e criadora de ideias. Eu sempre acreditei nisso e hoje consigo desfrutar desses bons momentos que não tivemos lá no inicio da temporada.

PS: Grey’s Anatomy entrou em mais um hiatus e retorna dia 14 de março.
Share on Google Plus

About Wellington Laurindo

Não vive sem música e tem em sua mente uma trilha para cada momento/ período de sua vida. Na vida de seriemaníaco há uns cinco ou seis anos, mas com um background de seriados clássicos desde sua infância. Está deixando a vida ditar por si própria os caminhos que deve seguir e esperando que isso venha dar certo. (@Wellington_Ign)
    Blogger Comment
    Facebook Comment