NCIS: Los Angeles 4x13 - The Chosen One

Kensi: "Eu gosto do meu peixe"
Deeks: "Seu peixe gosta do meu peixe"



Quando um policial para uma van porque o rádio do carro está muito alto (e segundo o google - sim, eu pesquisei - tem uma lei em LA que realmente dá direito do veículo ser parado por esse motivo) e quando as frases "aja normal" saem da boca do passageiro, dá pra perceber que a coisa não vai terminar muito bem - tu já viu alguém agir normal depois que é mandada agir normal? Nem eu. Resumindo isso, policial pede pra ver a parte traseira da van e passageiro se desespera, atira no policial que atira e mata o motorista mas não se preocupem, o policial saiu dessa vivo. Aí que o jogo começa.

Pensando melhor, é aí que a non sense do Deeks começa. Ele tem a brilhante ideia de fazer um "Aquário Doppelganger" que é basicamente recriar o ambiente de trabalho em um aquário, aonde cada membro da equipe tem seu próprio peixe de acordo com a sua personalidade - eu disse que era non sense. Sam é um bagre, Kensi é um peixe anjo, Eric e Nell são os peixes beijoqueiros, Callen é o peixe fantasma, Deeks é o peixe dourado e Hetty ainda não tem um peixe porque, segundo Deeks, peixe pequeno em aquário vira comida. Essa conversa toda de peixe me deu vontade de ir num restaurante japonês, hm.


Bem, depois dessa conversa do fundo do mar, Eric os informa que o motorista da van não era americano, e sim um extremista checheno ligado a grupos como Al-Qaeda e Talibã. Depois de conversarem com o policial no hospital e descobrirem aonde eles comeram (já que por algum acaso eles resolveram comer no restaurante que só tem uma loja em toda LA - pois é...). Depois de acharem a van, Sam e seu super olfato descobrem nitrato de amônia na parte traseira. O nitrato é usado para fazer explosivos e bem potentes. Sem saber o alvo mas sabendo a localização do esconderijo da célula terrorista - graças aos satélites e câmeras de tráfego bem estilo Big Brother - eles vão para a típica vigilância, aquela que sempre rende ótimos papos nada a ver entre Kensi e Deeks. Nisso, voltamos aos peixes e Deeks achando que o peixe dourado não representa a sua personalidade e Kensi deu uma ótima ideia: sardinha enlatada, que é barata, oleosa e fedorenta. E nossa querida agente Blye é comparada com aquelas meninas no jardim de infância, que te batem quando elas gostam de você. E o coitado acaba realmente ganhando um soco... Apesar de serem sempre inúteis, essas conversas entre os dois são essenciais para o chove não molha deles. Qualé, Eric e Nell já se pegaram e eles nada?!

Nossos super nerds conseguem hackear o celular de um dos integrantes da célula terrorista e invadem o email, aonde conseguem informações de que tem um homem chegando no aeroporto para se juntar "a causa" mas que ninguém o conhece, apenas que ele estará usando um boné vermelho. Callen então decide entrar na cova do leão e se passar por esse homem desconhecido, para desespero da Hetty que, com razão, acha muito arriscado ele entrar as cegas e sem apoio. Kensi, enquanto isso, interroga o verdadeiro homem desconhecido que foi interceptado no aeroporto, Anwar, sem sucesso nenhum, já que todo terrorista acha que é certo matar pessoas inocentes contanto que tenha um motivo que para eles é certo. Infiltrado e sem apoio, Callen se encontra no meio de um grupo bem organizado e bem pequeno: o chefe, o segurança e a típica mulher que entrou na equipe porque sofreu uma lavagem cerebral. Como a Hetty não é besta nem nada, manda o Deeks como entregador de pizza inventando desculpa para fazer a pizza entrar e claro, consegue. Nela, tem uma câmera e uma escuta pro Callen usar, só que ele só pega a câmera e com a ajuda dela, descobrem o plano e o alvo. O plano é colocar um colete com explosivos no G e mandar ele para uma universidade aonde um autor fará uma palestra sobre seu livro, que fala contra a Al-Qaeda e o Jihad. Só que na hora que o Callen vai escrever a tal carta de despedida para a família, o chefe descobre o disfarce, já que o Anwar estudou com ele no colégio e ele era canhoto. Busted.

Mas o chefe não é burro nem nada. Manda o segurança numa van vazia em direção aleatória para os agentes idiotas o seguirem só pra descobrirem que não tem ninguém nela; manda a coitada da lavagem cerebral se matar no meio da avenida para que o trânsito seja desviado e que o comboio do professor passe em frente ao armazém aonde eles estavam; e prende o Callen com o colete cheio de explosivos e vários e vários sacos de nitrato de amônia ao redor (o suficiente pra explodir um país) e tenta fugir. Só que a gente sabe que os super agentes sempre aparecem na hora, né? Resultado, cara morto, Callen vivo - isso depois de passar por um susto de leve e operação encerrada. Ótimo... e voltamos para os peixes.

Para desespero do Deeks, alguém rouba o seu aquário: Hetty. Que questiona o porque dela não ter um peixe para ela ali e o Deeks super sem graça explica que peixe pequeno em aquário vira comida dos outros peixes, o que a Hetty prova ser completamente o oposto pegando o seu peixe (que eu não faço a mínima ideia qual era) tacando no aquário. Rola um pequeno jogo de encarar entre o peixe Hetty e os outros peixes até que ela (o peixe) faz com que todos os peixes corram (nadem) e se escondam. Hm, peixe bem realista esse. Alguém por algum acaso sabe qual era aquele peixe porque esse vale a pena ter?


Share on Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment