Castle 5x17/18 - Scared to Death/The Wild Rover



Rumo ao episódio 100!


Sabem do que mais? A série fez aquela sequência excelente envolvendo o sequestro da Alexis e eu esperava que as coisas caíssem novamente no comodismo até chegarmos ao tão esperado 100º episódio, mas não, longe disso os dois últimos episódios mantiveram a qualidade e é bom ver a série caminhar para essa marca e chegar ao fim da quinta temporada tão bem. 

A começar pelo thriller pra Wes Craven nenhum colocar defeito, aliás, achei demais a participação do próprio produtor pra acalmar esse lado medroso do Castle. E olha que a história cheia de referências a filmes de terror e tudo mais tinha tudo pra ser clichê e apenas 'divertidinha' com aqueles retoques de comédia que já são marca do seriado, mas acabou sendo bem mais na minha opinião e toda a explicação por trás do misterioso DVD da morte foi excelente e bem criativa.

Serial Killer. Jurados de sua condenação. Irmão louco internado. Vítima que foi condenada errada. Tudo bem elaborado e divertido de acompanhar e olha que até conseguiram enganar (bem pouco, devo dizer) com o lance da enfermeira que tentava ajudar o irmão a não levar uma culpa que de fato não era dele. O mais legal de tudo em episódios é assim é ver que a mente do Richard consegue ir além e nada mais lógico do que ele ser a vítima do tal DVD também.

Nunca canso de ver ele e Beckett nesse impasse fantasia x realidade e olha que nesse episódio ele conseguiu balançar o racional dela por alguns momentos. O Ryan, little Castle, como sempre se borrava e acreditava em tudo que o Castle dizia e até o Esposito correu da responsabilidade dessa vez com medo de ver o vídeo maldito. Legal de ver também a implicância de sempre do Perlmutter com o Richard e ver a cara dele quando não sabia explicar detalhadamente a morte da primeira vítima. Diga-se de passagem todas as explicações que deram para as mortes e os efeitos que a culpada usou pra se passar por um espirito foram bem legais.


Já o 5x18 foi episódio de gente grande envolvendo máfia irlandesa, disfarces e uma versão do Ryan que a gente definitivamente não imaginaria conhecer. Sempre legal saber um pouco mais do resto da equipe e nesse caso conhecer a história dele como policial antes de chegar ao Homicídios, só achei meio forçado ele ficar 7 anos distante e atuando como policial pelas ruas de New York e nunca ninguém do bando ter se encontrado acidentalmente com ele até aquele momento. No mais, amei ver essa versão mais badass do personagem, ainda mais se tratando dele que sempre é o mais certinho e melindroso de todos. E a Jenny ainda terminou o episódio com a notícia da gravidez, que amor!

A história do Castle conversar enquanto dorme e ficar falando um nome aleatório qualquer foi bem dispensável apesar da explicação ter sido bem bonitinha e eu ficar mais apaixonada por ele, tal como a Beckett. E Espo e Lanie, tem como não amar também? Me divirto com o jeito dele bancar o esperto e sempre sobrar, não é à toa que ainda não existe uma Mrs. Esposito como bem disse a Kate mas se ele quer acreditar que é porque não existe mulher ainda pra esse homem todo quem sou eu pra impedi-lo de sonhar?

P.S¹ - Achei sensacional (e morri rindo no final) a cena que o Ryan assume a verdadeira identidade e começa a chamar nome por nome seus membros de equipe inclusive o sem colete do Castle.  

P.S² - Que venha o episódio de número 100!

Share on Google Plus

About Rebeca Barros

Sarah, we make a family, yes? (@bkbarros)
    Blogger Comment
    Facebook Comment