Criminal Minds 8x15 - Broken

E aquela velha discussão sobre homossexualismo, ein?



Sabe quando os pais acham que o jeito pra "curar" o homossexualismo dos filhos é manda-los para um acampamento, aonde eles vão aprender a consertar um carro, usarem relógios para não perderem a hora, usar roupar com cores escurar - que não sejam afeminadas, sofrerem terapia de eletrochoque, serem obrigados a ver pornô hétero com um medicamento na veia que com certeza é para ajudar o processo e, a melhor parte, pagarem prostitutas e forçarem os filhos a fazerem sexo com ela - enquanto os pais assistem e ainda dão opiniões? Pois então, esse foi o tema da vez.

No Texas, algumas pessoas começam a desaparecer. Primeiro um homem, que foi espancado até a morte e depois duas meninas, que foram esfaqueadas em lugares e de formas que prefiro não comentar. Durante a investigação do BAU, descobrimos que o serial killer da vez é um cara, que é gay mas que não aceita e pra provar que é hétero, tenta transar com as mulheres que caem no charme dele. Mas aí tem a pegadinha né, ele simplesmente não consegue. Não funciona; não sobe; não arma; se recusa - chame como quiser - e ele não se conforma, ainda mais quando as mulheres (que são até um pouco fdp) começam a rir dele. Aí, com certa razão até, ele fica meio puto com isso. E o pior acontece, pra elas.

Só que ele não resiste a tentação e acaba transando com outro homem e, pro azar do cara, se arrepende, diz que não é gay e mata o cara. Só que enquanto ele está nessa negação toda, temos uns flashbacks do passado dele e vemos que o pai é um tremendo filho da puta machista que não aceita o filho ser gay - o que infelizmente acontece com muita família por aí - e o força a ser "homem" o mandando, junto com o namorado (depois de convencer a família do menino) para um acampamento de "conversão". Se você se interessa por notícias internacionais, sabe que isso é bem real e existe daquela mesma forma. Alguns até recorrem a tortura (terapia de eletrochoque, espancamento...).

Nessas horas que você não sabe se sente pena ou acusa o assassino. Até porque tu vê claramente que ele ficou assim graças ao que o pai e o tal acampamento fizeram com ele na adolescência. Um exemplo disso é quando o amigo dele (Mitchell) - que era o namorado do colégio - o confronta sobre o assassinato da última transa dele, e dá pra perceber que ele não o julgou, na verdade o entendeu e só queria convence-lo a buscar ajuda e seguir em frente. Só que o rapaz resolve fazer com o pai o que fizeram com ele: rape the ignorant out of him.

Mitchell leva a pior nessa, já que o pai super esperto (-n) tenta tirar a arma do filho e atira no coitado que só queria ajudar. BAU chega bem na hora (um pouco mais tarde, na verdade) e o interessante desse caso todo foi que depois de descobrirem tudo o que aconteceu, o rapaz acabou sendo tratado como a vítima da história toda. Morgan o convencendo a não se matar e a denunciar o acampamento para ajudar os outros na mesma situação e eu devo dizer, gostei disso. Resultado: acampamento fechado, um monte de gente presa e as suspeita da JJ confirmadas - torturas psicológicas rolando direto atrás da tal porta trancada que ela cismou com a Blake que coisa errada tinha.

E o unsub misterioso voltou. Bem no finalzinho do episódio vimos o vídeo de uma aula que a Blake estava dando no começo do episódio e ele com um livro dela. Tudo deu a entender que seja lá o que esse cara vai fazer, a novata vai ser a primeira. Será que isso vai causar a saída dela da série? Hope so.
Share on Google Plus

About Karina Nascimento

Estudante de Jornalismo, viciada em série, filmes, música e livros. O vício começou em 2000, com Dawson's Creek na Sony e depois disso, só piorou. Completamente órfã de Gilmore Girls e Veronica Mars, no momento acompanha 21 séries e pede para que parem de recomendar séries porque ela precisa de vida própria longe da televisão. (@_kaarii)
    Blogger Comment
    Facebook Comment