Switched at Birth 2x09 - Uprising


"Until hearing people walk a day in our shoes… they will never understand."


Um episódio fora do comum, um episódio que merece uma review fora do comum. Não consigo, depois de ver esse episódio, fazer uma review como as outras. Devo dizer antes de tudo, que este é o episódio que eu esperava que a série fizesse desde que vi o piloto. Um episódio que não é apenas um entretenimento, mas sim um aprendizado. 

Quem leu minha ultima review sabe que nunca apoiei essa de Carlton totalmente surda. Mas além disso, viram que eu também achei que, serem relocados em escolas regulares não seria algo tão mal. Pois bem, nada melhor que um dia após o outro. Realmente é impossível entender sem viver aquilo que eles vivem. E essa foi toda a magia do episódio. Por 40 minutos pudemos estar mais próximos de uma realidade que pertence a eles, com um episódio praticamente inteiro mudo. 

O episódio funcionou em sincronia perfeita. Mostrou cenas que puderam nos fazer entender a vida dessas pessoas que não usufruem do prazer da audição. Melhor de tudo, além de mostrar os lados negativos, mostrou lados positivos. A cena onde eles fazem o rap foi algo que achei genial. Simplesmente pelo motivo de ser algo puramente divertido. 

Uma das coisas que, quando se fala de qualquer deficiência, me incomoda, é o pensamento equivocado de pessoas que acham que a vida dos portadores é limitada. E muitas vezes, quem não passou uma vida inteira convivendo com esse problema, não percebe quão preconceituoso está sendo. Até porque, hoje em dia preconceito se tornou uma palavra com um sentido muito mal visto. Mas nada mais é que uma ideia pré-concebida, sem uma análise maior do assunto.  É o que acontece com deficientes auditivos, eles podem ter uma vida normal, e até mesmo fazer um rap. 

Pensando nisso, dá pra ver como o mundo ainda não sabe lidar com essas pequenas coisas, que nada mais são que diferenças. E o que esse episódio veio ajudar, foi a compreensão de que as pessoas ainda não sabem conviver com o diferente. Por isso é tão importante para eles manter Carlton viva. Travis, eu acredito, é o exemplo maior disso. Não só nas outras escolas, mas em casa, o garoto nunca teve suporte, e nunca foi visto como alguém completo. Mas sempre como alguém pela metade. Fechar Carlton então, seria como tirar o único lugar seguro que essas crianças têm no mundo. 

Outra cena importante no contexto do episódio, para mim, foi a cena onde Daphne entra na casa e o alarme dispara. Muitas vezes não temos ideia de como o ambiente que nós vivemos não é acessível a todos. E acho que devo acrescentar que nossa experiência ainda não foi completa, pois ainda tivemos alguma trilha sonora em momentos diversos. O que eu total compreendo, e deixo passar. Por ser um episódio televisivo, algumas pessoas poderiam chegar na metade sem entender a falta de áudio. 

O episódio inteiro foi, além de ótima sequência pra série, um episódio instrutivo pra sociedade. E minha admiração não ficou só pela parte dos surdos, mas também pelo destaque em Bay. A garota está na escola por opção, e não por condição. Acredito que o que fazem com ela, querendo-a fora da escola, é o mesmo que se faz quando praticam bullying com deficientes auditivos em escolas regulares. Carlton aberta não só a surdos, mas também a alguns auditivos, é a solução ideal. Além dos próprios surdos, quem vai ajudar a fazer com que as pessoas entendam as suas vidas, são os auditivos como Bay, e como eu e você. Espero então que logo mostrem esse outro lado da moeda. 

Enfim, sei que essa não foi bem uma review. Mas após um episódio como esse, acho que precisava falar de questões como essa, que são a razão principal pela qual Switched at Birth é uma série que vale a pena ser assistida. 

P.S: E-Bay sempre será um OTP maravilhoso. 
P.S²: Daphne já anda beijando Noah, o que eu tinha dito hein?!
P.S³: Daphne descobriu Regina, quando será que Kathryn e John descobrirão? 

Share on Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment