The Following 1x09 - Love Hurts




"Love hurts, 
Love scars, 
Love wounds and marks"




Após um grande capítulo na última semana, The Following está de volta a mesmice em "Love Hurts", voltamos ao uso da velha fórmula do psicopata da semana, que resultou em um episódio bem mais ou menos. A construção, sempre da mesma maneira no desenvolver dos episódios, já começa a ficar desgastada e se não tivermos, rapidamente, um novo gás, vai ficar complicado aguentar toda semana a mesma lenga lenga.

O caso da semana é uma das pupilas de Joe, que em sua colaboração para a obra do assassino fica encarregada de matar várias mulheres que tem o mesmo nome da amada de Carrol. Uma coisa que posso elogiar é que os roteiristas conseguem muito bem interligar as motivações dos acólitos com os crimes que cometem, correlacionando a traição do marido da criminosa com os sentimentos de Joe por Ryan que considera que foi traído quando o policial se apaixonou por sua mulher.

Mais uma vez a incompetência dos agentes é notável, o recém chegado novo líder da força tarefa, Nick, já é rebaixado e perde o comando da missão para a central do Bureau na capital, e toda a moral que tentou impor sobre Hardy parece que não teve consequência nenhuma, já que Ryan ainda continua fazendo as escolhas para seguir com as investigações.

O FBI começa também, sua busca pelo refúgio do culto, que agora sabemos que consiste de todos os tipos de pessoas, sejam eles policiais, executivos, ou mesmo, simples chefes de família. O culto aceita qualquer um, não importa sexo, credo ou raça, apenas que tenham como característica a idolatria por Carrol, que trata seus pupilos como alunos, dando-os tarefas para serem cumpridas.

Tivemos também a volta de Paul e Jacob, e finalmente descobrimos o que aconteceu com o casal de homossexuais (bom, pelo menos um deles é, o outro é bi). Estava extremamente curioso para saber como seria o primeiro assassinato de Jacob e fiquei muito feliz pela maneira como aconteceu, o clima da cena acertou em cheio, ainda mais sendo ajudado com uma bela trilha sonora (como de praxe na série).

Emma cada vez mais entregue aos seus sentimentos por Carrol, começa a perceber que, no momento, nada mais é do que um estepe, o que prevejo que poderá gerar muitas complicações ao plano de Joe, ainda mais agora com a chegada de Jacob ao retiro e Roderick a vigiando após perceber algumas coisas, as coisas ficaram cada vez mais complicadas.

A morte de Louise, que aparentemente tinha uma grande importância, e a captura da culpada pelos assassinatos é mais uma derrota para o culto, que agora vem de duas consecutivas. Será que os agentes estão ficando mais inteligentes ou os acólitos de Joe estão ficando igual a alguns times e entrando de salto alto em campo? Eu, pessoalmente, fico com a segunda opção.

No geral tivemos um episódio que foi mais do mesmo, não podendo ser considerado ruim nem bom. Se Kevin Bacon e James Purefoy não fossem os protagonistas acho muito difícil que a série seria capaz de manter o interesse dos telespectadores durante muito tempo. Não que eu ache que a série não tem capacidade para fazer algo grandioso, apenas acho que os caminhos trilhados não são os corretos, já estamos cheios de procedurals por aí, mais um não acrescenta em nada.

P.s. 1:
Roderick imitando Jacob foi muito bom.
P.s. 2:
Gostei da volta dos flashbacks, tinha sentido falta no último episódio.
P.s. 3:
Não queria que Paul tivesse morrido, mas como tinha que acontecer, gostei muito da maneira que foi apresentado.
P.s. 4:
Ryan é mais badass que eu imaginava, não acreditei que ele fosse matar Lousie naquele momento.
P.s. 5:
Ryan ninja desviando de projéteis, tudo bem que eram pregos, mas mesmo assim...

Share on Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment