Castle 5x23 - The Human Factor



Apertem os cintos, a Rebelião das Máquinas chegou!

Com a season finale chegando, não tem como não ficarmos apreensivos, à espera de um acontecimento de cair o queixo. Mas depois de terem terminado a temporada passada com a crise existencial de Kate levando ao ápice do nosso casal favorito, eu até entendo que o Andrew Marlowe queira pegar um pouco mais leve desta vez.

Já comecei o episódio rindo de Castle todo meninão brincando de soldadinho do exército com seu tanque de controle remoto (com câmera, claro, por que ele é rico, né) espiando Kate se vestir no quarto. Mas morri de rir quando ela aterroriza Castle durante a noite com a tal “Rebelião das Máquinas”. Acho que o melhor de tudo foi que ela entrou na brincadeira pra passar medo nele, em vez de fazer como a maioria das namoradas fazem de criticar a infantilidade do namorado.

O episódio teve uma vibe de suspense que achei muito legal. O fato de o FBI ter tomado conta do caso e não passar informações para a delegacia só foi deixando a coisa com mais cara de conspiração do governo. E aquela reunião com o chefe do programa de drone do exército foi bem no estilo… WTF?! Todo mundo dizendo que todas as informações eram confidenciais. Aí é que pensei que o exército tinha mesmo assassinado o cara.

 

 No fim das contas, depois de tanto mistério e informações confidenciais, acabou que o filho do cara o matou por ter visto o pai abandonar a família e ainda trair a mãe. Confesso que achei a solução do caso muito fraquinha, mas o suspense durante todo o processo valeu a pena. Só fiquei espantada com a proposta de emprego que Beckett recebeu para trabalhar para o procurador-geral em Washington. Concordo com ele quando disse que praticamente tudo em Beckett indica que ela quer coisas maiores e não a culpo por ficar pensativa a respeito da tal proposta.

Sejamos realistas. A mulher decidiu entrar para a Academia de Polícia depois de ter a mãe assassinada, e desde que se tornou policial ela tem dado seu melhor (e até o sangue) para conseguir justiça para todos, inclusive para sua mãe. Só que uma hora a coisa estabiliza. E aí, como fica a vida dela depois? E tá, tudo bem que agora ela finalmente tá com o amor da vida dela. Mas e aí? Onde eles estão indo?

PS: Alguém mais reparou que antigamente a Beckett era quem ficava na delegacia até de madrugada pesquisando sobre os assassinatos e agora ela é quem pergunta o que os outros detetives estão fazendo na delegacia tão tarde da noite? Issaê! Tem mais é que curtir o homem dela toda noite em casa!! \o/

Share on Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment