Glee 4x21 - Wonder-Ful


O mundo mágico de Stevie Wonder.

Nossa! Que episódio delicioso foi esse? Divertido, cheio de mágicas e com diálogos muitos bem estruturados, o penúltimo episódio desta temporada de Glee conseguiu alcançar seu propósito: entreter os fãs. Geralmente não gosto de episódios dedicados a um artista, mas desta vez tenho que dizer que fiquei feliz com o resultado. Com músicas contagiantes, Kurt, Mercedes e Mike de volta a Ohio, Rachel enfrentando seus medos para o callback de Funny Girl e os novos membros do New Directions empolgados pelas Regionais, esse episódio com certeza foi um prato cheio de alegrias e emoções.

Artie conseguiu passar na escola de filmes e artes de NY. Uma excelente notícia. Pena que ele não viu desta maneira e foi justamente Kitty quem abriu os olhos de Artie e o fez perceber que seus medos devem ser enfrentados. Amei a cena dele com a mãe e isso é um dos pontos altos de Glee: os diálogos entre pais e filhos. O mesmo aconteceu com Kurt e Burt. Amo a relação deles, que para mim é única. Novamente vimos a preocupação com o avanço do câncer consumir o medo de Kurt em perder seu pai. Eu entendo o fato dele ter se utilizado de TOCs para tentar evitar o pior, mas que foi linda demais a cena em que, milagrosamente, Burt está curado, ah, isso foi. Só não perde para a 2ª homenagem musical que Kurt fez para o pai, na frente dos novos membros do coral.

Outra cena linda e sincera foi entre Burt e Blaine. A naturalidade que Burt fala sobre algumas coisas é realmente surpreendente. Ele não só apoio o casamento entre homossexuais, como também filosofa sobre isso. E não posso nem discordar dele quando diz que casamento é difícil para qualquer sexo, pois casar não é só uma ideia, é mais que isso. Sábias palavras desse homem que quando está em cena sabe transmitir aquela emoção. Pelo menos ele abriu os olhos para Blaine não fazer alguma besteira e ferrar seu possível futuro com Kurt, se bem que ainda acho que ele vai pedir o ex em casamento e será na season finale. Falando em pedidos de casamento, Will pediu Emma em casamento novamente e ela aceitou. Bom, pelo menos foi o que ele disse. Só não lembro deles terem voltados.

Quanto a estadia de Mercedes e Mike em Ohio foi simplesmente interessante. Ok, eu confesso que achei forçado demais essa história dela em gravar um CD, mas pelo menos valeu pela lição que essa história toda trouxe. Ela divou nas músicas e no seu jeito de ser única. Não duvido nada que ela venderá muitos CDs abrindo uma barraquinha em frente a sua igreja. Já Mike foi totalmente dispensável. A única coisa que prestou foi os passinhos de dança dele com Jake e o apoio que ele deu para Kurt e Mercedes.

E em NY as coisas aconteciam de uma forma totalmente imprevisíveis. Isso porque Cassandra deu um baita susto em mim (e acredito que em muitos fãs) com essa história de professora malvada que só pensa em ferrar com os alunos. Adorei saber que ela acredita no potencial de Rachel e, podem até dizer que o que vou falar é forçado, mas saber que ela não é essa bitch toda que todos acreditavam ser, trouxe um up para essa história do callback da Rachel, afinal, se até a professora que infernizou com a vida dela acredita em seu potencial para ser eleita a protagonista do musical da Broadway, quem somos nós para contestar? Enfim, amei todas as cenas das duas e Kate Hudson arrasa nos vocais, nas coreografias e na atuação!

PS: Maneira linda de começar o episódio com Rachel agradecendo Will por todo o carinho dele como mentor e professor do New Directions!
Share on Google Plus

About Gabriella Siggia

Formada em Direito, eterna estudante, bem humorada, alto astral e alegre, mora em São Paulo. Viciada em músicas, filmes e seriados americanos. Seriemaníaca de carteirinha! Mantém um blog pessoal em : http://gabyscseries.blogspot.com/ (@gabyever)
    Blogger Comment
    Facebook Comment