Switched at Birth 2x18 - As the Shadows Deepen

"I need one win...'

Preciso começar dando boas notícias: SaB foi renovada, ontem, para uma terceira temporada que estreia em janeiro de 2014! A notícia não poderia ser melhor, ao passo que, em menos da metade do "As the Shadows Deepen", tanta coisa havia acontecido que só me resta agradecer a ABC por acreditar nessa fofurinha semanal e por manter o nível sempre alto! E, por falar em 'aprofundar nas sombras', mais alguém imaginava que as coisas iriam caminhar desta maneira? Confesso que ainda estou boquiaberta...

Daphne, precisamos rever os seus conceitos sobre homens ou as atitudes tomadas quando se está com eles, porque tá complicado! Não farei a puritana ao comentar sobre a 'mentirinha inocente' quando o policial flagra os dois no carro 'celebrando sobre o projeto de lei'; eles são jovens e, pra sair de uma encrenca, o artifício 'imunidade diplomática' foi válido. Não vou questionar o fato deles serem fofos demais quando estão juntos e do Jace, além de mostrar-se interessado em conhecer aquilo que faz parte do mundo da Daph, ainda a apoiar sobre Jeff  e a defender quando algum imbecil faz comentários preconceituosos sobre a surdez; mas tudo tem limite e a verdade parece não ser a 'língua oficial' do nosso coffee guy. Pregar uma peça no 'sr. preconceituoso' é diferente de roubar o cartão de crédito dele. Assim como é inaceitável alguém defender apenas a 'própria verdade' e não conseguir enxergar a do próximo. Assim como é errado enxergar um 'mundo errado' mas se ausentar de culpas, apontar dedos, mostrar-se superior.

Como havia dito acima, Chef Jeff está de volta, protagonizando o momento awkward do episódio. Imagina só: você está numa cafeteria com seu namorado, conhece uma amiga dele que está noiva do seu ex-patrão-affair-que-acabou-muito-mal. Pois é, 'speak of the devil,' o noivo era o Jeff. Este mesmo que, enquanto estava com Daph, mantinha um relacionamento de QUATRO anos com a então noiva - e eu achando que as coisas não poderiam piorar, né? Triste daquilo que eu pensar! Jace não apenas contou à noiva do Chef sobre o relacionamento entre ele e a Kennish como não achou que fez algo errado, ao passo que era verdade. Ok, todos precisamos de verdades, mas realmente precisava criar feridas em um e abrir cicatrizes em outros? Até onde é certo 'bancar o justo'? Mas o que eu mais gostei foi que, ao ser confrontado, Jace disse a Daphne que a única diferença entre eles era que ela continuava recusando-se a ver a verdade sobre suas ações e, assim, mentia para si mesma. Ouch! Mas já passou da hora da ficha dessa menina cair e dela rever seus conceitos sobre tudo, inclusive sobre Jace.

Deaf Day! A rota de salvação do Maui Kansas que só poderia sair da cabeça genial da Bay. Quanto mais eu conheço essa menina mais eu me apaixono, sério! Resolver dedicar um evento à comunidade surda foi algo incrível - principalmente pela dificuldade de eventos voltados para pessoas com deficiência. Uma edição 16mm de Deafenstein seria o carro-chefe da noite, exceto pela exibição privada do remake de Dawn of the Deaf, estampando na tela o beijo E-Bay justamente quando Ty entra em cena. Vocês também viram a hesitação de Bay sobre... tudo? Será que Ty tem razão em confrontá-la daquela maneira sobre 'quem está sendo usado pra fazer ciúme no outro'? Abrigar sentimentos e querer moldá-los à nossa necessidade são coisas completamente diferentes, menina Bay, principalmente quando a reação exagerada do Ty tem motivos maiores: ele vai voltar pro Afeganistão. NÃÃÃO! WHY, GOD, WHY? E me convence a torcer por esse relacionamento com apenas um "because i love you". Há quem diga que é cedo demais, mas me diz, sentimento é medido em tempo ou é vivido à medida que o outro desperta na gente algo pelo que valha a pena viver e esperar? E, sinceramente, eu estou torcendo por eles apesar de achar que o Ty deva morrer no Afeganistão. Por favor, produção, não deixa isso acontecer!.

Regina é mal vista como mãe pelos outros pais tidos como responsáveis e perfeitos, mas é sempre ela quem todos os jovens procuram quando encontram-se confusos. Ela, que nunca escondeu os defeitos, faz deles motivo pra que outros espelhem-se e desejem melhorar e a influência que ela tem em Toby é tão boa! Por falar nele, o que foi o plot da Nikki, hein? Quando o 2x17 trouxe à tona o assassinato do pai dela, não imaginei que este fosse um narcotraficante morto num 'negócio que saiu mal', muito menos que Toby ficaria com um fardo terrível ao decidir se contaria a verdade à noiva ou manteria isso em segredo - cujo acho muito profundo a fim de ser varrido pra debaixo do tapete quando uma 'vida a dois' está prestes a nascer. E ele disse a verdade e foi incrível, realmente admirável a escolha que fez. Acredito que aceitar essa verdade e, principalmente, a queda da imagem do pai do pedestal de integridade e perfeição que os filhos sempre têm, vai mexer com os conceitos de Nikki sobre tudo, principalmente sobre a própria fé. Ou sobre o casamento. 

O que vocês acham dessa aproximação do John com o Bill? Eu torço bastante pra que eles possam, ao menos, conviver afetuosamente; que aprendam a perdoar um ao outro. O que falar sobre Travis e MB? Gente, eu tô shippando, confesso! E, confesso, estou muito ansiosa pelo próximo capítulo! Por fim, deixo-os com minha frase favorita da Helen Keller: "Nunca se deve engatinhar quando o impulso é voar."



PS: Helen Keller foi citada no episódio e eu realmente sou apaixonada por essa mulher. Se você não a conhece, separa uns minutinhos que te serão como um presente e/ou, com certeza, te farão refletir um bucadinho. Você pode assistir clicando aqui.

Share on Google Plus

About Vanessa Reis

Hey 23, call me! (@neereis)
    Blogger Comment
    Facebook Comment