Freaks Look: Back In The Game


E começou a temporada de comédias que NÃO te fazem rir.


Back In The Game é uma das apostas do canal ABC para as comédias desse ano. A série foi privilegiada, pois irá se concentrar nas quartas-feiras junto com The Middle e Modern Family e isso já significa muito pra uma série novata. Porém, não é somente um lead-in que sustenta uma produção, pois junto com essa ajuda tem que existir uma boa produção, história e elenco.

E a pergunta é: Back In The Game tem tudo isso? A resposta é não. Em vinte minutos de episódio não foi possível rir em nenhum segundo. O interessante é que quando eu assisti ao promo o resultado foi diferente, talvez pela edição, mas o fato é que o material promocional foi muito mais interessante do que a série em si.

A história não é a melhor, mas poderia render alguma coisa se fosse bem escrita e dirigida, além do principal, que é ter atores com bom time de comédia. Acompanhar a vida de uma mãe solteira, recém-divorciada, que perdeu tudo, que tem que morar com o pai novamente e de quebra ainda ter que treinar o time de baseball do filho não vai ser nada divertido se baseando no que foi visto nesse episódio piloto.

O que tem mais potencial pra render nessa série é grupo de crianças bizarras que foi selecionado para ser o novo time do colégio. Cada um ali tem um pequeno potencial para conseguir tirar algo positivo dessa nova produção. Os gêmeos que sempre falam juntos, o gordinho sarcástico (porque sempre tem que ter o gordinho), o menino gay que canta Lady Gaga, além do menino protagonista, que é super inteligente e péssimo nos esportes. Vale ressaltar a presença desse menino na série, pois pra quem já o conhece sabe que ele fez um trabalho impecável nas duas ultimas temporadas de Private Practice, porém, ele é ótimo no drama, vamos ver agora na comédia.

A mãe e o avô do menino são figuras indiferentes. Não conheço os trabalhos de Maggie Lawson e James Caan e por isso não posso julgar a qualidade dos atores, mas se baseando por esse episódio posso dizer que o resultado não foi o alcançado. O “The Cannon” é totalmente forçado, soa o tentando ser engraçado, mas não o engraçado naturalmente. Terry é uma personagem bem insossa, é totalmente controlada pelo pai, mesmo que indiretamente e sem perceber. Dick também é outro exagerado e sem resultados, que certamente será interesse amoroso de Terry, num futuro não muito distante.


Se você quer se privar do que não vai valer apena, fique bem longe de Back In The Game. 
Share on Google Plus

About Wellington Laurindo

Não vive sem música e tem em sua mente uma trilha para cada momento/ período de sua vida. Na vida de seriemaníaco há uns cinco ou seis anos, mas com um background de seriados clássicos desde sua infância. Está deixando a vida ditar por si própria os caminhos que deve seguir e esperando que isso venha dar certo. (@Wellington_Ign)
    Blogger Comment
    Facebook Comment