Freaks Look: Welcome To The Family


Bem vindo à série onde Glee encontra Desperate Housewives.


Não, não tem números musicais nessa série, a frase de inicio dessa review é apenas pelo encontro de dois astros das séries citadas acima. Mike O’Malley, o Burt Hummel de Glee, e Ricardo Chavira, o Carlos de Desperate Housewives protagonizam essa série que não começa tão bem, mas ao contrário do que muitos dizem, tem um pequeno potencial para se tornar uma boa comédia.

Grande parte desse meu sentimento é em relação ao elenco, que é bom, com excessão do menino gay de Awkward, ou melhor, Jr. que não consegue convencer como heterossexual. Fora isso WTTF conseguiu fazer com que vinte minutos da minha vida não tenham sido tão torturantes como eu imaginei que fosse ser.

É uma história simples, clichê e cheia de estereótipos (na verdade o que mais me incomodou). Molly, menina mimada, loira, linda, meio burrinha, que se forma no ensino médio com sacrifício e que está prestes a sair de casa pra alívio dos pais, mas que descobre que está grávida de seu namorado Jr, esse por vez de origem latina, estudioso e com grande futuro em Stanford. Ambos decidem que querem ter o filho e mudar seus planos de vida, juntando assim essas duas famílias totalmente diferentes.

Porém, o grande conflito entre eles vem mesmo é da rivalidade criada entre Chuey Hernandez (Chavira) [porque todo latino tem que ser Hernandez, né] e Dan (O’Malley) que se desentendem quando o segundo tenta entrar para a academia do primeiro. Um argumento bobo, que é usado apenas pra que exista esse choque entre as famílias, mas que não tem muito sentido e isso é extremamente perceptível quando vemos a primeira cena dos dois juntos.

As mães são figuras não muito ativas nesse piloto, apenas exercem a função de voz da razão na hora das brigas entre os maridos. Entretanto, a personagem da mãe de Molly deverá ter grande destaque nos episódios futuros da comédia devido a descoberta de sua também gravidez ao fim do episódio, situação que pode trazer mais dinamismo pra série.

Como já citado, o que me chamou atenção pra essa série foi o bom elenco. Enxerguei um bom entrosamento entre os atores, as cenas em reunião de família pareciam mesmo reuniões de família, além de contar que a maioria são bons atores e não decepcionam na interpretação. Decepção essa que vem mais pelo roteiro, que precisa ser melhorado. Os argumentos para algumas atitudes dos personagens são bem vagas, até mesmo pra uma comédia. As piadas com a burrice de Molly precisam ser melhor elaboradas, assim como os diálogos de Jr. como rapaz super inteligente precisam ganhar mais força e impacto.

Acredito que essa visão otimista seja porque eu comecei a assistir com expectativa zero e o resultado não foi tão ruim como eu esperava. Welcome to the Family não é a melhor nem a pior comédia. Se sua watchlist não estiver tão cheia talvez valha apena dar uma chance e ver se esse potencial futuro apareçe.
Share on Google Plus

About Wellington Laurindo

Não vive sem música e tem em sua mente uma trilha para cada momento/ período de sua vida. Na vida de seriemaníaco há uns cinco ou seis anos, mas com um background de seriados clássicos desde sua infância. Está deixando a vida ditar por si própria os caminhos que deve seguir e esperando que isso venha dar certo. (@Wellington_Ign)
    Blogger Comment
    Facebook Comment