The Originals 1x05 - Sinners and Saints


Mitologias e conspirações.

Como é bom ver uma série que sabe construir uma boa história, com mistérios, reviravoltas e surpresas. E principalmente contrariando tudo o que se achava que seria. Desde que a ideia desse spin-off surgiu muitos já não acreditavam que algo bom poderia sair daí, mas The Originals conseguiu provar o oposto. A série está a cada semana mostrando realmente a que veio e ela não veio pra ser pouca coisa não.

A palavra chave para que qualquer produção dê certo é desenvolvimento. Seja em algo que a premissa tenha potencial ou não. The Originals não começou com o pé direito, trazendo uma trama envolvendo uma gravidez de uma lobisomem com um híbrido que muitos repudiavam e que de certa forma não é algo que instigue muito o interesse da audiência que procura ser mais critica no que está assistindo. Mas no caso de TO o que fez a diferença foi a palavrinha chave citada mais acima.

A cada semana a trama da série vem sendo costurada de maneira tão interessante, que as motivações iniciais estão sendo deixadas de lado para dar vez a algo muito maior e que promete levar o enredo a grandes momentos.

O episódio dessa semana revela quais são as reais motivações de alguns personagens. A conversa de Elijah e Davina é esclarecedora e traz informações valiosas quando complementadas as palavras e lembranças de Marcel e Sophie. Toda a mitologia do Coven de Bruxas e o sacrifício da Colheita ficam muito acima da trama envolvendo a gravidez de Hayley, que muita gente ainda acha ser o assunto principal e por isso ainda não deu uma chance à série.

Toda a construção dos fatos que liga Marcel a Davina é muito bem trabalhada. Marcel projeta em Davina o que viveu com Klaus no passado e isso acaba humanizando o personagem, fazendo o público torcer de maneira diferente para o vilão. Em TO não existe mocinho, não existe o herói da história, a não ser por Elijah que vive com esse papo de fazer tudo pela família. E exatamente pela maioria ser vilão é que se torce por eles, talvez isso seja até a razão principal pela empatia pelos personagens. Mas essa revelação muda um pouco a visão que se tem sobre o personagem.

É ótimo também ver que todo mundo se pega nessa série e a pequena relação casual entre Marcel e Sophie acabou não sendo surpresa. Na verdade foi a troca de informações dessa relação que levou a Marcel, a saber, de certas coisas sobre o Coven de Bruxas da cidade, mas obviamente foi a revelação do Padre K sobre o sacrifício que fez com que Marcel intervisse no ritual.

E essa história de sacrifícios também acabou revelando o porquê de Davina ser tão poderosa e o porque ela precisa ser mantida escondida. Com isso é possível concluir que Elijah é muito melhor de persuasão do que Klaus que prefere fazer as coisas de forma mais extrema. A sinceridade na conversa dele com Davina surtiu mais efeito do que todo aquele circo que ele armou no episódio passado.

Mas nem tudo foi sobre mitologia, pois a trama familiar de Hayley também está começando a ser mais desenvolvida. E essa é uma das coisas que me deixa menos interessando. Hayley correndo atrás de seu passado já ruim desde que isso ainda fazia parte de TVD e no meio de tantas outras histórias muito melhores acaba ressaltando o quão pobre é esse tema. Nem o fato da profecia de que seu bebê pode causar a morte de todas as bruxas torna a trama interessante. O que realmente pode salvar a presença da loba na série é o romance com Elijah, que começa a tomar forma agora que ele está livre. Afinal, é preciso uma pitadinha de romance em algumas coisas. Só não é preciso exagerar e tornar a série dependente disso pra sobreviver.
Share on Google Plus

About Wellington Laurindo

Não vive sem música e tem em sua mente uma trilha para cada momento/ período de sua vida. Na vida de seriemaníaco há uns cinco ou seis anos, mas com um background de seriados clássicos desde sua infância. Está deixando a vida ditar por si própria os caminhos que deve seguir e esperando que isso venha dar certo. (@Wellington_Ign)
    Blogger Comment
    Facebook Comment