6 problemas que explicam a baixa audiência de ‘Aprendiz – O Retorno’:


Recentemente, a veja fez uma reportagem numa tentativa de elucidar algumas razões sobre a queda da audiência do programa O Aprendiz: "‘Aprendiz – O Retorno’: cinco problemas que explicam a baixa audiência do reality". Por se tratar de uma temporada com retornantes, no caso, all star, o esperado era uma audiência ainda maior, já que iria reunir fãs de todas as temporadas, para torcer novamente pelos seus candidatos favoritos.

Entretanto, a contínua queda de audiência, vem preocupando não só a produção do programa, mas também os fãs que ainda restam, na possibilidade do fim do mesmo por parte da emissora.

Porém, ao ler a reportagem da Veja, fiquei realmente indignado com os argumentos usados por aquele jornalista. Ele fez de maneira tão irresponsável, justificando as afirmações em seu próprio gosto pessoal e pouco debatendo os pontos apresentados. De maneira preguiçosa, ele utilizou o caminho mais fácil: atribuir grande parte da culpa aos candidatos e a Roberto Justus.

Como nos dias de hoje, discordar não é o suficiente, resolvi por aqui, apresentar as razões que eu considero os reais motivos para queda do programa. Diferente do jornalista da veja, apresentei 6 e não cinco motivos.

Vamos lá?!

6. A divulgação da ordem dos eliminados.



Realmente, esse foi o único critério no qual concordei com ele. Entretanto, isso foi uma falha da produção? Também, mas não apenas dela. Só que isso não é novidade no mundo dos realitys. Em No Limite 1, um dos primeiros realitys shows do Brasil, a foto da vencedora Elaine foi estampada na capa de uma revista de grande circulação nacional, e para a maioria dos telespectadores deixou de ser novidade que ela se consagraria vencedora do programa. Porém, a audiência não foi afetada por isso, o que modificou foi o que o público buscava ao assistir ao programa: compreender como uma gordinha conseguiria se tornar a vencedora entre tantas pessoas atléticas. Só não podemos negar, que os tempos hoje são outros, e cada vez mais as pessoas ganham e perdem o interesse a respeito de algo numa velocidade assustadora. 

Infelizmente, nessa edição de O Aprendiz a ordem dos eliminados, inclusive o nome dos finalistas foram divulgados por toda internet e caso você sinta que prejudicará sua motivação para acompanhar a atração e não conhece a técnica "não clicar no link contendo spoilers", a solução da produção poderia ser:

  • Evitar gravações tão antecipadas. Com provas e recompensas cada vez com prazos mais curtos, será que não seria possível gravar o programa com apenas uma ou duas semanas de diferença para o programa na televisão? 

  • Inserir listas falsas nos meios de comunicação. Já que a lista verdadeira caiu nas mãos dos jornalistas, que fizesse com que listas inventadas, alterando algumas ordens também fosse parar em outras manchetes. Claro que aos poucos as listas falsas seriam desmentidas, mas isso ajudaria a confundir e talvez segurar os telespectadores que são movidos pela curiosidade.


5. Queda de audiência dos programas da record.



O Aprendiz não é o único programa da record que vem apresentando queda de audiência. Na verdade, todos os programas desse canal estão sofrendo desse mesmo problema. O Melhor do Brasil, A Fazenda, Novelas, estiveram passando pela mesma situação, como podem ver nos links que coloquei ou numa pesquisa rápida pela internet. Quer dizer que está caindo a qualidade de todos os programas da emissora? Provavelmente não. Se o programa fosse em um canal que não esteja passando pela mesma crise, ainda que não mudasse em nada do atual, possivelmente, manteria bons números. Infelizmente, há uma tradição de grande parte das famílias brasileiras, em achar que só o que passa na globo é bom.

4. A falta de novidades



Quando eu era mais novo e era fã de Malhação, eu simplesmente amava a trama da novelinha adolescente. Depois de umas duas temporadas eu comecei a me revoltar na semelhança das histórias de um ano para o outro, em que poucas coisas, além dos atores, sofriam alterações. Só então compreendi, que o roteiro não precisava mudar, se o público adolescente mudava a cada ano. Envelhecemos e os adolescentes de hoje, não serão os adolescentes de amanhã. Só que isso não acontece em reality shows. Programas que conservam a mesma forma, da primeira temporada a atual, vão diminuindo o interesse entre o público e o tempo de vida do programa atinge raramente cinco temporadas. Há realitys que possuem um tempo de vida maior, mas que acrescentam tantas novidades de uma edição para outra, que se formos comparar a primeira com a mais recente, parece ser um novo programa. É o caso de Survivor, que na televisão americana está na vigésima sete edição e Big Brother Brasil, que ainda que tenha perdido audiência, é um dos programas mais rentáveis da Globo.

Divisão das equipes por gênero? Mesma dinâmica, mesma prova, mesmo sistema de eliminação? É difícil inovar, porém cabe a equipe criativa do programa buscar twists ou mudanças no sistema que poderiam frear essa queda na audiência, conservando e até mesmo atraindo novo público?

3. Demissões (in)justas



Nunca me esqueço de duas eliminações do Aprendiz: Peter em O Aprendiz 3 e Sandra em O Aprendiz 5. Ambos discordaram da postura e decisões de Roberto Justus e pediram para sair do programa no meio da sala de reunião. Na época, Justus foi claro que todos aceitaram entrar no programa com contrato assinado aceitando que todas as decisões caberiam a Justus e somente a ele. Nós também "assinamos" o mesmo contrato quando aceitamos assistir. As opiniões são divergentes e não existe isso de "mais errado" ou "menos errado", existe pontos de vistas diferentes que ainda que não sejam compartilhados por todos, devem ser no minimo compreendidos. E não é o que tem acontecido em algumas salas de reunião dessa temporada.

Baseando-se apenas no perfil dos participantes e não no desempenho deles na prova, Daniely Zanotti e Lucas Dobner foram demitidos. Foi esse o argumento usado por Justus o que nos levanta certos questionamentos e indignações: se a prova não vai servir de base para eliminação, para que serve a prova? Se os participantes são todos retornantes, e o perfil deles era de conhecimento de todos, por que chamaram para retornar se o "tal perfil" não se adéqua ao cargo em questão?

Eu reafirmo, o público não precisa concordar com todas decisões dos Justus, porém, ele precisa explicar melhor suas decisões para que haja uma maior compreensão delas. Sem isso, ele assume uma postura incoerente e o programa perde o sentido.

2. Baixo orçamente do programa



Pode parecer preconceito, mas o público de O Aprendiz é um público diferenciado. Formado por pessoas de maior grau de escolaridade e até mesmo maior renda. Parte do público, associa o prestigio do programa aos prêmios e gastos exorbitantes. Verem recompensas fracas, participantes dividindo quartos, patrocinadores não tão renomados é motivo suficiente para decretar falência do programa e associar a baixa qualidade. Como se O Aprendiz só fosse bom se esbanjasse muito dinheiro. Compreendo que a verba não é como em edições anteriores, porém, eu realmente não acho que isso seja preponderante a qualidade programa. Só que infelizmente, acompanhando grupos de discussão em redes sociais, vi muitas pessoas indignadas com esses pontos que citei.


1. O horário do programa



Esse ponto nem exige muitas explicações. Não me lembro de temporadas passadas, mas principalmente por grande parte do público ser composto por pessoas que acordam cedo, 23:30 é um horário terrível, já que você precisa estar bem contagiado pelo programa para ficar acordado até esse horário a espera dele.


Enfim, não existe uma razão específica, assim como não existe uma solução mágica. Uma soma de fatores resultou nesse problema, e como na televisão, sucesso está ligado diretamente a audiência, estamos correndo o risco de não termos um de nossos programas favoritos com o contrato renovado por causa dos baixos números. 


Share on Google Plus

About Vinícius D'Ávila

Viciado em reality show, vive em um mundo paralelo onde acredita veemente que vive em uma especie de "O Show de Truman". Ficou anos em depressão após a morte de Juliet em Lost, mas já superou. Coleciona feijão enlatado na expectativa de um apocalipse zumbi. Seu maior sonho é virar técnico do The Voice, mas não sabe cantar - e nem quer aprender. Não usa óculos, mas achou que ficaria legal estar com esses nessa apresentação.
    Blogger Comment
    Facebook Comment