Freaks Look: The Escape Artist



Todo mundo merece uma defesa.


Os britânicos e essa excelente mania de dar novas perspectivas a situações tão comuns em séries. Essa podia ser mais uma série de um assassino maníaco/creepy, e bem, essa é uma série assim, a diferença é que em vez de olharmos os crimes e o desenrolar da história pelos olhos de algum detetive solitário e com passado obscuro, aqui a coisa toda gira em torno de advogados e de como o ofício de defender alguém que não merecia pode arruinar sua vida. 

The Escape Artist é uma minissérie em 3 partes da BBC escrita por David Wolstencroft (Spooks) e estrelada por David Tennant (Doctor Who). Tennant é Will Burton, um advogado de defesa júnior que está em ascensão - Top 1 numa lista de 40 advogados - que já ganhou destaque na empresa e que nunca perdeu um caso. O episódio já começa com mais uma vitória dele em cima de Maggie Gardner (Sophie Okonedo, de The Slap) que vem a ser sua principal rival na profissão e a número 2 na tal lista.

Por sua competência e fama, Will é contratado para defender Liam Foyle (Toby Kebbell, da excepcional Black Mirror), um cara que define a palavra estranho e que nos primeiros minutos em tela já nos causa repulsa, além da certeza de culpa. Liam é acusado de um assassinato brutal e impetuoso com ferimentos de natureza sexual. Só pra ter noção da crueldade : ele arranca os olhos da vítima enquanto provavelmente ela ainda estava viva.

Will sabe da culpa do seu cliente e evita ao máximo uma aproximação maior com ele, mas nem por isso deixa de fazer seu trabalho e diga-se de passagem brilhantemente. A jogada que ele usa é simplesmente sensacional. A acusação se apoiava nas contas de cartão de crédito no nome de Liam que haviam pagado serviços de sites com natureza sexual violenta e coisas do tipo que podiam ser relacionadas ao crime em questão. Como o perito computacional da defesa não teve tempo de concluir sua análise do computador do acusado - e bom, Will pediu por esse tempo ao juiz - Burton utilizando do perito da acusação tenta levantar a possibilidade dos cartões do seu cliente terem sido clonados já que o acesso em si as páginas não foi detectado no computador de Foyle. E pronto, júri tido como comprometido e Foyle em liberdade. Mais uma vitória para Will Burton.

O episódio antes do grande final que desenrolará o resto da história faz questão também de destacar a relação de Will com a família e de como ele mesmo sendo super ocupado na profissão tenta conciliar o máximo que pode isso com o filho e sua esposa, que descobre estar grávida da segunda criança. 

O fato é que Will sofreu e sofrerá mais do que ninguém as consequências de ter deixado Liam livre e ao que me parece Foyle tem um fascínio por advogados e quer provar alguma coisa desafiando-os, isso fica ainda mais evidente quando sabemos que ele denunciou Burton alegando que ele mostrou dúvidas sobre sua inocência . Os papéis se invertem e agora Maggie é advogada de defesa de Liam enquanto eu faço todas as apostas que Burton mergulhará na busca de evidências que de fato comprovem a culpa de Foyle. 

Em tempo, é muito legal e diferente ver o estilo de julgamento britânico. Com o réu em destaque em uma posição superior aos advogados de acusação e defesa. Com os advogados mais contidos e respeitosos em relação aos seus oponentes. E ainda aquela velha peruca meio vergonhosa que eu não sabia que ainda eram utilizadas mas pesquisei e em casos criminais continuam sendo obrigatórias. 
Share on Google Plus

About Rebeca Barros

Sarah, we make a family, yes? (@bkbarros)
    Blogger Comment
    Facebook Comment