Homeland 3x06/07 - Still Positive/ Gerontion


Uma nova missão para Homeland.

Analisar os últimos episódios da série tem sido uma tarefa ambígua. Os novos rumos da trama tem me agradado em parte. Gosto de não fazer ideia pra onde a história está caminhando, por isso a cada passo do plano de Saul sinto-me surpreendido. Porém, não posso esquecer algumas falhas no roteiro, que faz questionável esse mesmo rumo que em parte parece promissor.

Primeiramente, preciso dizer que inserir um vilão na trama, não seria necessário, já que ninguém ali é tão mocinho. A própria CIA se tornou uma espécie de ameaça contra o próprio país com essa sequência de planos que colocam em risco vários inocentes. Mas como Saul pontua, são estratégias de longa visão. Fazer justiça, apenas entregando Javadi as autoridades não vai resolver o problema, porque na próxima semana colocam outro em seu lugar e com isso a ameaça continua.

Saul tem boas ideias, mas mandar Javadi  de volta ao Irã como espião é bem arriscado. Não vejo garantia alguma nesse plano, apesar da vantagem que ele tem contra o vilão. Javadi é um bom manipulador e isso aumenta suas chances de sumir do mapa na hora em que ele se sentir encurralado e sem nenhuma chance de escapatória.

Javadi tem sido figura importante para o desenrolar da trama, ele já revelou que Brody não implantou a bomba no carro e que existe alguém lá de dentro que facilitou a entrada de um dos homens de Abu Nazir. Ainda acho que Brody não é tão inocente como Carrie quer tanto provar. O personagem tem seus conflitos pessoais de conduta, sim, mas acredito que isso não o deteria, pois existe muito mais em jogo.

Meu palpite para traidor vai pra Quinn, mesmo que talvez tenha sido obvio demais pelo fato de posicionarem a câmera em suas expressões quando Carrie revela que tem uma pista. Quinn sempre teve esse ar misterioso e quem sabe agora a gente possa conhecer mais do que o personagem é capaz. Também fico com a impressão de que pode rolar alguma coisa entre ele e Carrie. Os dois estão mais próximos e sofrendo as consequências de trabalhar para a inteligência secreta americana.

Entretanto, Carrie segura a maior barra. É preciso ser muito badass pra conseguir suportar tudo o que ela passou dentro daquela clínica psiquiátrica. Ainda considero isso um grande furo, poderiam ter trabalhado essa farsa de outra forma. Mas não adianta reclamar da mesma coisa toda a semana, pois o que vem pela frente me incomoda muito mais do que essa jogada inesperada que foi o plano de emboscada de Saul. 

Carrie grávida é uma das coisas que eu não compro no enredo. Aliás, abomino toda obra televisiva que acha esse artifício válido...Não sabemos o que inventar, então vamos engravidar a personagem, pois um filho vai conseguir mudar os rumos trazendo vários tipos de consequências... Isso definitivamente não funciona comigo. Fora que não faz sentido pelo tempo em que ela ficou na clínica e com aquele monte de exames onde nada foi descoberto.

Já na família Brody teve se um grande progresso com a partida de Dana. Espero que essa menina dê adeus a série por um bom tempo. Pra sempre não é, porque a gente sabe que a partir do momento em que Brody der as caras, a família vai voltar a ter destaque.

Bom, com a série renovada para um quarto ano, os rumos dessa metade final da temporada precisam se acertar. Os roteiristas precisam descobrir qual é o foco da história e melhorar suas formas de fazer plottwis. Só assim Homeland terá chances de dar a volta por cima, se tornando novamente um drama totalmente intrigante como foi nas temporadas anteriores.
Share on Google Plus

About Wellington Laurindo

Não vive sem música e tem em sua mente uma trilha para cada momento/ período de sua vida. Na vida de seriemaníaco há uns cinco ou seis anos, mas com um background de seriados clássicos desde sua infância. Está deixando a vida ditar por si própria os caminhos que deve seguir e esperando que isso venha dar certo. (@Wellington_Ign)
    Blogger Comment
    Facebook Comment