Homeland 3x12 - The Star (Season Finale)


Season Finale com cara de Series Finale.

A terceira temporada de Homeland começou confusa, ficou ruim e aparentemente sem direção pra depois dar volta por cima e fazer uma das melhores sequências da série desde a primeira temporada. Os episódios dez e onze foram excepcionais e criaram base para um encerramento que tinha tudo pra ser magnífico. Porém, não foi isso o que aconteceu exatamente.

Existem duas maneiras de enxergar esse final de temporada. A primeira é ele sendo um total anticlímax. Quando Brody faz a ligação para Carrie após matar Akbari e pede pra ela tirar ele do local o que veio em minha mente foi um episódio totalmente eletrizante. A fuga de Brody tinha tudo para ser muito mais intensa do que foi, assim como o episódio num todo, mas não foi isso o que a gente viu.

Mas se pensarmos que esse foi o capítulo final de um ciclo e que as histórias precisavam ser concluídas, pois não havia mais o que fazer com determinado personagem, consigo reconhecer como tudo foi feito com louvor. Existem algumas pequenas falhas, na verdade coisa que foram lançadas durante a temporada e não deveriam ou fazia sentido ser e que no final não teve um encerramento, foi simplesmente esquecido. Não vou me ater a isso, pois quero comentar o que realmente interessa.

Brody é um dos melhores personagens já construídos em séries de TV. Toda sua ambiguidade, o fato da gente nunca saber o que realmente passava em sua cabeça com todos os difíceis questionamentos proporcionou uma viagem muito louca pra quem acompanhava a série. Além é claro da atuação do Damian Lewis que é sempre digna de Emmy. O que ele colocou no personagem fez toda a diferença e acredito que sem esse tipo de atuação não conseguiríamos entender tão bem o personagem.

Muita gente não estava acreditando que pudessem matar o personagem e por isso até mesmo questionam o acontecido, mas diante de tudo o que ele passou será que existia um caminho diferente pra ele? Eu acredito que não. Brody não tinha saída depois de toda a sua exposição diante de todo o país. Ele era visto como traidor pelos Estados Unidos e depois da entrevista no Teerã isso se intensificou. Sua influência sobre Carrie também se tornou algo que contava pontos negativos para o personagem. Carrie nunca conseguiria se desapegar caso ele permanecesse vivo, sendo que ainda tenho dúvidas disso, mesmo depois de tudo.

O que me tocou emocionalmente foi que Brody estava conformado de que seu único destino só poderia ser a morte. Ele viveu um verdadeiro inferno desde que foi capturado por Abu Nazir e a morte seria mais um descanso, pois se sobrevivesse esse inferno não iria acabar nem tão cedo, ou melhor, não iria acabar.

No meio disso existe a interferência do Senador, que ao invés de seguir com o plano de Saul, levando Carrie e Brody em segurança aos EUA, resolve mantê-lo no Teerã como prisioneiro. Sinceramente, dessa vez eu concordei com essa decisão, contando que Brody preso e condenado manteria o disfarce de Javadi, que já estava no poder. Saul, mesmo usando muito as pessoas em sua volta, consegue agir muito com o coração quando se trata do bem e da vontade de Carrie e manter Brody vivo era mais por isso do que pela missão em si.

O momento do enforcamento foi angustiante, principalmente porque Carrie estava assistindo a tudo. É uma grande carga de emoção pra uma mulher grávida, mas não poderia se esperar diferente da personagem, que fez questão de assistir tudo. Foi bom ver que a revelação da gravidez não fez o andamento da trama tomar um rumo diferente. Homeland não é uma história sobre final feliz, mesmo que algumas conclusões meio que indiquem alguma satisfação para os personagens.

A passagem de tempo foi importante e necessária e essa foi mais uma das coisas que fez com que o episódio ficasse com cara de final de série. Uma boa oferta de trabalho pra Carrie, seguida de sua rejeição pelo bebê e o apoio incondicional do pai e da irmã também serviriam de conclusão para o ciclo da personagem. É difícil imaginar o que pretendem fazer com ela na próxima temporada, porque não cabe na trama. E trama essa que não se faz ideia de qual será. Eu apoio ela dar a criança para adoção, há não ser que trabalhem muito bem a personagem como mãe exercendo um cargo importante no governo.

Saul também teve sua conclusão vendo todo o seu esforço e trabalho dando certo, mesmo não estando mais em nenhum cargo importante dentro da CIA. Ele foi o único que teve o tal “final feliz”, mesmo a gente sabendo que ainda não existe final.

Quinn foi totalmente ignorado e só teve uma ridícula aparição apoiando Carrie mais uma vez. Sinto que na próxima temporada podem explorar melhor essa relação que tem tudo pra se tornar mais intima agora que Brody está morto. Mas por favor, não queremos romance, pois não é nisso que a série deve focar.

Homeland terminou com sabor agridoce. Gosto do tema que a série se propõe trabalhar, mas esse episódio finalizou um ciclo que talvez devesse dar fim a toda a história. O que será feito agora é um reboot, com uma nova história/ trama trazendo fortes consequências de todos os acontecimentos até agora. Estou realmente curioso pra saber o que será feito nesse recomeço da série e torcendo para que os roteiristas não se percam no andamento das histórias, o que seria bem provável de acontecer.

Me despeço aqui de quem acompanhou as reviews durante toda essa oscilante temporada, desejando que a próxima venha com muito mais conspirações mirabolantes, que é o que a gente gosta de acompanhar.
Share on Google Plus

About Wellington Laurindo

Não vive sem música e tem em sua mente uma trilha para cada momento/ período de sua vida. Na vida de seriemaníaco há uns cinco ou seis anos, mas com um background de seriados clássicos desde sua infância. Está deixando a vida ditar por si própria os caminhos que deve seguir e esperando que isso venha dar certo. (@Wellington_Ign)
    Blogger Comment
    Facebook Comment