The Originals 1x09 - Reigning Pain in New Orleans


A compaixão de Klaus.

Mesmo com toda sua vilania está nítido que Klaus ainda mantém dentro de si algum sentimento por aqueles que estão a sua volta. O episódio passado já consegue provar o quanto ele e alguns outros conseguem se importar com o que acontece com a vida de seus entes mais próximos e nessa semana esse fato foi reforçado diante de algumas atitudes do personagem.

É preciso dizer que apesar de fazer a história andar Reigning Pain in New Orleans conseguiu ser menos empolgante que o episódio anterior. Talvez pelo ritmo que acabou sendo mais lento por causa da atenção em algumas tramas que não tem tanta força como a história principal, que é o embate entre Klaus e Marcel.

Pensava que a guerra fria entre eles ia durar mais, mas ainda bem que isso já chegou a outro nível. Com Klaus na liderança Marcel é obrigado a se render, mas certamente precavido e maquinando algum plano para que mais pra frente ele possa tomar o poder novamente. Porém, Klaus teve um ato de compaixão com aquele que tem uma história de vida semelhante a dele. A parceria sugerida por Klaus pode mudar o curso das coisas. Se Marcel tinha algo em mente pra derrubar Klaus isso pode ter uma conclusão diferente. Não há nada melhor do que se sentir valorizado e diante da história dos dois, acho compreensível que Marcel se sinta tentado a aceitar essa nova condição.

Uma das melhores sequências foi a rebelião de Klaus contra as autoridades de New Orleans. Fico com pena de quem acha que pode contra um vampiro original. Padre Kieran bem que tentou avisar, mas tudo acabou mesmo numa chacina, coisa que Klaus adora. Dentro desse núcleo existe muito potencial para que a história cresça, só espero que tudo seja bem desenvolvido.

Ainda falando da compaixão de Klaus, como não gostar de como ele chama Elijah e Rebekah pra se juntar a ele novamente na mansão. Não gosto muito dessas separações entre eles, acho que com eles juntos tudo fica mais divertido. E na verdade tudo ali vai virar uma grande família, porque juntando os irmãos originais, Hayley, Marcel e Davina só pode sair coisa boa.

Falando em Davina, a historinha de amizade dela com Josh teve uma continuidade, além das coisas terem evoluído para uma aliança com Hayley, que conseguiu pontos com a bruxa por falar a verdade. Mesmo com isso a trama da mãe loba continua uma verdadeira bosta. Não aguento mais esse papo de meu povo, minha família. É a coisa mais detestável de toda a série. E mais uma vez a única coisa que salva ela dentro da trama é o potencial romance com Elijah, que acho até bonitinho. Só acho que quando isso se tornar real, Klaus causará dor de cabeça para o novo casal.


Já a história de Cami começou a ganhar mais força, apesar de eu estar começando a me irritar com a personagem, além de achá-la uma das mais rasas. Klaus mostrou o como ele se importa com a moça e fez mais uma vez o seu robby preferido que é hipnotizá-la e redirecionar suas decisões, porém, o que ele não esperava era a intervenção de Davina nessa história. Cami sabendo de toda a verdade promete fazer o mimimi aumentar. Não sei se esse sentimento contra Cami e suas lamentações só é negativo a partir da minha pessoa, só sei que com isso aumentando a única coisa que eu consigo desejar para a personagem é uma morte dolorosa e precoce.
Share on Google Plus

About Wellington Laurindo

Não vive sem música e tem em sua mente uma trilha para cada momento/ período de sua vida. Na vida de seriemaníaco há uns cinco ou seis anos, mas com um background de seriados clássicos desde sua infância. Está deixando a vida ditar por si própria os caminhos que deve seguir e esperando que isso venha dar certo. (@Wellington_Ign)
    Blogger Comment
    Facebook Comment