Agents Of S.H.I.E.L.D. 1x12 - Seeds


O negócio é maior do que eu pensava.

Pra quem achou que a série fosse viver de casos semanais e que vez ou outra teríamos episódios focados no arco principal, teve uma grata surpresa com Seeds. A impressão que eu tive no final é que todos os acontecimentos estão ligados e que todos os caminhos levam para o mesmo destino: Clarividente.

Tudo começa quando os agentes são chamados para investigar um dispositivo inventado por Fitz-Simmons. Bem, parte da equipe pelo menos vai para a Academia da SHIELD. Coulson e May vão para outro lado em busca de respostas sobre o passado de Skye.

A oportunidade de poder conhecer mais sobre a Academia foi excelente. A parte cômica de Seeds ficou por conta da rivalidade existente entre as divisões da Academia. De um lado, Fitz-Simmons na ala das Ciências, e de outro, Ward, representando as Operações. Foi bacana porque a forma como cada divisão trabalha, reflete e muito na personalidade dos agentes.

Se já tínhamos acompanhado o nascimento do Graviton lá na primeira metade da temporada, aqui vimos a criação do Nevasca. Nos quadrinhos, a história do Nevasca é ligada ao Homem de Ferro. A construção do personagem na série foi ótima. Donnie é um adolescente de QI altíssimo, um pouco entendiado e que acabou virando amigo de um outro adolescente que faria tudo por dinheiro. Resultado, Donnie foi parar na SandBox, e não como pesquisador. O personagem deve reaparecer até o fim da temporada, provavelmente envolvido com o que o Clarividente está preparando.

Aproveitando para fechar as pontas soltas e dar um sentido maior a tudo, Ian Quinn reapareceu e aparenta ser o financiador de alguns empreendimentos ligados ao Clarividente. E se ver toda essa história de Clarividente, Ian Quinn e Nevasca já foi suficiente para ficarmos muito empolgados, ver o desenvolvimento do plot da Skye fechou o episódio com chave de ouro.

Confesso que não esperava por nada espetacular que envolvesse Skye e seus pais, mas a revelação do passado da nossa hacker foi de cair o queixo. Quando veio ao mundo, Skye foi tida como um 0-8-4, ou seja, um objeto desconhecido. Uma vila inteira de agentes da SHIELD morreu protegendo Skye, quando essa ainda era um bebê. Os agentes fizeram um ótimo trabalho protegendo e escondendo as origens da menina, porque ninguém até o momento sabia sobre Skye. E aí é que vem as perguntas. Por que Skye é tão importante? Quem são seus pais? Será que ela tem superpoderes? E Skye ainda pode funcionar dos dois lados da moeda, tanto pela SHIELD, como pelo Clarividente. Sendo um potencial perigo ou a salvação, resta saber por quais dos motivos sua identidade foi preservada. Uma coisa é certa, a morte persegue nossa garota.

Outra coisa que merece destaque é Coulson e seu dilema. Descobrir sobre sua morte mudou bastante o agente, tanto que ele não quer mais segredos dentro da equipe. O passado de Skye trazia mortes e dor, mas, o mistério da morte de Coulson não era muito diferente. O agente havia perdido a vontade de viver, havia perdido as esperanças. Existe algo pior do que quando você perde sua fé? E se ele não gostou do segredo que a SHIELD manteve, não era certo fazer o mesmo com Skye, ainda que a informação fosse destruir a menina por dentro. E Coulson agiu como o esperado, contando toda a verdade para a hacker.

Gosto bastante da Skye, sou bastante apegada a personagem, então, quando ela começou a chorar com a revelação, eu quis muito poder guardá-la num potinho, pra ela ficar bem protegida. O desenvolvimento da reação dela e em como isso afetou Coulson, foi feito de forma brilhante. Skye poderia muito bem se revoltar, se sentir culpada, poderia ter perdido a esperança, assim como Coulson perdeu, mas ela escolheu olhar pra frente. Antes, a garota lamentava por não ter tido uma família, e hoje ela descobre que ela sempre teve uma e que vários agentes deram suas vidas para que ela ficasse em segurança. Nada mais justo do que honrar a vida dessas pessoas.

E como o próprio Coulson disse, a Skye é assim. Ela tem uma força extraordinária que vem de dentro, algo que sempre faz com que ela continue, não importando os machucados da queda. E ver que essa forma de encarar as coisas devolveu um pouco da fé do Coulson, foi realmente algo muito bonito.

As coisas melhoraram e muito em AoS. O Clarividente ainda vai tirar o sono e dar muita dor de cabeça para os agentes. Graviton, Nevasca, Ian Quinn, Eye Spy… E ainda com chances de retorno do Projeto Centopéia. Até aqui, nenhum caso semanal foi por acaso. Que continuem mantendo o nível e que trabalhem da melhor forma possível essas ligações.

– May DESESPERADA (sim, gente, apesar da expressão facial não demonstrar, a Cavalaria estava aflita) contando para o Coulson sobre seu relacionamento com o Ward. Gargalhei altíssimo nessa parte.


Agents retorna dia 4 de fevereiro, vejo vocês lá!  
Share on Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment