Criminal Minds 9x13/9x14 - The Road Home / 200

Oh, hell to the no! De novo não!
Primeiro, vamos aos casos antes de eu me revoltar. Tivemos o Rossi indo pra Los Angeles ajudar aquele amigo dele do Vietnã - que os ajudou em um caso há um tempo atrás. Não teve nada de interessante nisso, parecia que era uma ida pra concluir a situação. Aquela coisa toda de "perdoar e seguir em frente" que os americanos fazem parecer tão fácil.

Enquanto Rossi estava na ensolarada LA, o resto da equipe estava em Cleveland perseguindo um Justiceiro que matava criminosos (incrível como a ficção imita a realidade). Foi um caso fácil até, já que o unsub não fazia a mínima questão de esconder a cara. A única dificuldade encontrada pela equipe foi que as pessoas apoiavam o que o homem fazia e não queriam denunciá-lo e muito menos ajudar a polícia a capturá-lo. O que era triste era o motivo por ele ter surtado: filho drogado e amigo drogado resolvem roubar a própria casa - provavelmente para comprar mais drogas. Amigo do filho, que estava mais drogado do que o cracudo da Avenida Brasil, na hora do roubo achou que era boa ideia tentar estuprar a mãe do amigo. Filho luta com amigo, amigo mata os dois e no final das contas, o cara perde a família toda. Sim, é motivo de surtar. Ok, cara se mata e talz. Beleza. Vamos ao momento WTF da parada.

De novo a JJ estava toda misteriosa falando com a "babá", mais conhecida como Cruz. Quem olha acha até que ela tá tendo um caso com o homem. Enfim, seja lá o que eles marcaram, quando JJ chega num lugar sem nenhuma alma por perto, você já desconfia que não vai acontecer coisa boa nessa hora, e de fato, não acontece. Nossa querida Agente Jareau resolve ser supostamente sequestrada por uma mão com uma luva de couro, deixando seu lindo iPhone largado no chão. Quem acompanha a série desde o começo sabe do rolo que deu quando tiraram a AJ Cook do elenco pra reduzir o orçamento, produtores sofreram um ódio geral dos fãs e foram obrigados a traze-la de volta e com um salário bem  melhor do que ela recebia antes. Então, espero que, pro bem desse povo, ela volte inteirinha e sem nenhum arranhão nela!

Bem, ela voltou inteirinha mas os arranhões são outra história.
Uma palavra define: agoniada. Antes de tudo, vamos ao primeiro pensamento que tive quando vi a roubada em que a JJ estava enfiada - "porque essa mulher só se ferra?". O segundo pensamento, quando você percebe a gravidade da situação, foi "OH, HELL NO".

Passado o momento de terror, chegou a raiva ao ver que a coitada estava sendo torturada e o Governo estava pouco se lixando em achar os agentes desaparecidos - tá que eu nem estava me importando com o Cruz, eu até achei que ele era o traidor - e ainda barrou o BAU nas tentativas de ajudar.

Depois, veio a alegria ao ver a cara da Prentiss atendendo o telefone e mais alegre ainda fiquei quando ela disse "estou a caminho". Nunca tinha ouvido uma frase tão linda da minha vida, e apenas uma vai superar "você ganhou na Mega Sena".

Uma coisa que eu sempre curti é flashback, e adorei a forma como eles mostraram o que aconteceu durante a demissão transferência da JJ. Parecia até que, em focar o episódio 200 na JJ, eles quiseram reparar a burrada que fizeram ao demitir a AJ e a Paige (não, ainda não superei).

Depois da alegria, veio mais agonia e orgulho. Até porque ver a JJ correndo atrás do Hastings depois de ter sido torturada por mais de 24 horas é motivo de orgulho e também motivo de soltar um "tu é louca, mulher? Vai ficar com teu filho, burra". Mas aí não teria rolado a melhor cena de todas: JJ e Prentiss dando uma surra no cara e Prentiss mostrando que é mil vezes melhor do que a Blake jamais será #BringPrentissBack4Ever.

Quando tudo estava resolvido e eu achei que meu coração podia descansar, veio o momento em que eu sempre esperei: Blake e Prentiss no mesmo ambiente; Blake elogiando a super agente que a Prentiss é; Prentiss pegando uma arma e dando um tiro bem na cara da Blake e... Não. Espera! Como assim tu volta e vai embora? OH, HELL NO!
Share on Google Plus

About Karina Nascimento

Estudante de Jornalismo, viciada em série, filmes, música e livros. O vício começou em 2000, com Dawson's Creek na Sony e depois disso, só piorou. Completamente órfã de Gilmore Girls e Veronica Mars, no momento acompanha 21 séries e pede para que parem de recomendar séries porque ela precisa de vida própria longe da televisão. (@_kaarii)
    Blogger Comment
    Facebook Comment