The Blacklist 1x14 - Madeline Pratt

Depois de 13 episódios bons, apareceu um fraquinho...
Aquele momento em que um caso aparentemente super importante acontece porque a ex peguete do Red é vingativa. Sim, esse absurdo mesmo. Ladra queria roubar uma estatueta digna de livro de Dan Brown e precisava de distração. Red, há muito tempo atrás, deu o bolo enquanto ela o esperava em Florença. Ladra então pensa: "hm, vou aproveitar e me vingar. Contratá-lo para roubar a estatueta, mandá-lo para uma armadilha, pegar a estatueta e deixar o Raymond ser preso em pelo consulado Sírio". Esse deve ser o plano mais vingativo que eu já vi de uma ex.

Tirando essa loucura toda, tivemos alguns segredos revelados e outro segredo formado. Primeiro tivemos o cinismo do Red quando foi confrontado se matou a chefe - Diane - e aonde ela estava. Depois, descobrimos que a Agente Keen era ladra. Siiiiiiiiiiiiiiiiim. No começo quando Raymond solta a bomba, ela tenta desconversar mas no final acabamos descobrindo que ela realmente tem talento e que o roubo no consulado não foi o primeiro dela - será que a parada de Omaha realmente aconteceu?

O principal, pra mim, foi quando o Raymond - depois de armar o plano todo pra mulher contar aonde estava a tal estatueta - contou para Madeline a história de como a família dele morreu. Eu fiquei depressiva e, apesar dele ter tentado desmerecer a coisa, eu acreditei que foi aquilo que aconteceu.

A preocupação da Lizzie em ser abandonada pelo marido é meio surreal. Tipo, amore. Você não vai ser abandonada - ainda não - mas sim super chifrada. Até porque, né. Seu marido vai pra Orlando sozinho e encontra - nada - acidentalmente a mulher que super está dando em cima dele, coisa boa não vai sair. Uma coisa que me deixou com a pulga atrás da orelha foi a preocupação toda do Ressler com o casamento da Keen, se oferecendo pra bater no Tom e ainda perdendo jantar com a namorada pra ouvir ela reclamando. Será uma traição de mão dupla?
Share on Google Plus

About Karina Nascimento

Estudante de Jornalismo, viciada em série, filmes, música e livros. O vício começou em 2000, com Dawson's Creek na Sony e depois disso, só piorou. Completamente órfã de Gilmore Girls e Veronica Mars, no momento acompanha 21 séries e pede para que parem de recomendar séries porque ela precisa de vida própria longe da televisão. (@_kaarii)
    Blogger Comment
    Facebook Comment