The Vampire Diaries 5x15 - Gone Girl


Um adeus que não deveria ser dado.

De todas as más decisões que os roteiristas de The Vampire Diaries tomaram, a de matar Katherine por definitivo, foi a pior de todas. Vampiranha, apelidada com carinho pelos fãs da série, sempre foi a melhor personagem, sempre foi a que rendia excelentes plottwists e que trazia diversão garantida mesmo que o episódio ou a trama da temporada em si não estivesse andando muito bem. Lá no fundo ainda existe uma pontinha de esperança, mas segundo Julie Plec, por enquanto, isso é definitivo.

O episódio foi bom. Sim, eu gostei e me diverti bastante. Fazia tempo em que eu não me sentia tão intrigado e prestando tanta atenção para não perder nenhum momento. Ainda mais porque eu imaginava que depois que todos descobrissem sobre Katherine estar usando Elena como hospedeira seria realmente o fim da linha para ela, mas continuava aguardando ansiosamente por um ultimo twist da personagem após ter sido encurralada por todos.

O twist foi exatamente o contrário do que eu imaginava. Nunca pensei que teriam coragem de matar Katherine, achava que sempre usariam de alguma artimanha para mantê-la viva e assim poder aproveitar suas aparições repentinas. Mas se analisarmos o histórico da série podemos ver que esse tipo de coisa já foi bastante desgastado durante os anos. A solução seria arrumar um jeito de manter a personagem fixa, com tramas recorrentes envolvendo os personagens principais.

A ida de Katherine não foi convencional. Aquele final me deixou intrigado, mesmo com as afirmações de que ela realmente morreu. Disso não se tem dúvidas. O que fica no ar é para onde ela foi. Sua passagem não foi como a de Nadia, nem como as outras. Provavelmente Katherine foi parar em algum inferno do other side que ainda não foi explorado na série e talvez nunca seja.

Sobre a morte de Nadia eu não poderia me importar menos. Desde sua primeira aparição e mesmo sem saber de seu parentesco com Katherine, já dava pra deduzir que essa seria mais uma personagem descartável. Os momentos mãe e filha em seu leito de morte foram emocionantes, mas não por ela necessariamente e sim por ter sido possível ver mais uma vez um lado mais humano de nossa querida Vampiranha, que desde que começou sua jornada como humana vinha nos dando pequenas doses desse seu jeito mais doce, mas sem deixar de perder sua identidade.

Mas se Nadia era descartável, mais ainda era Wes, que morreu merecidamente, pois era o personagem mais detestável da história de TVD. Obviamente, ele não tinha boas intenções e não pretendia salvar Nadia de forma alguma. Damon acabou fazendo um favor e muito bem feito para todos nós. O lance de Withmore/ Augustine sempre foi a coisa mais chata da série e sem dúvidas muito sem sentido, e depois que Aaron morreu não havia mais motivos plausíveis para manter essa trama fraquíssima, que chegou sem um bom propósito e capengou até agora sem nos provocar nenhum interesse. 

O que certamente vai “causar” nos próximos episódios foi a verdadeira e ultima jogada de mestre de Vampiranha ao aplicar o mesmo vírus aplicado em Damon, só que mais letal em Elena, ou seja, história de amor com Stefan fica cada vez mais difícil e pode não mais voltar a acontecer. E isso na verdade me deixa bem aliviado. Já faz bastante tempo em que o roteiro da série faz esse joguinho, onde dão a entender que a série vai acabar voltar para o triângulo amoroso (o que seria terrível com a série correndo atrás do rabo) e em seguida desmontam tudo com Elena agora sempre escolhendo Damon. O pesadelo do casal virá quando Damon confessar tudo o que ele fez dominado pela dor do pé na bunda, mas já que agora Elena vai estar sobre efeito do vírus “assassino” a reação dela pode acabar sendo diferente.

E o que falar do restante dos personagens tão relevantes (ironia)? Matt, Jeremy e Bonnie estão tão sem vida que fica até difícil pontuar algo que realmente valha apena. A não ser pelo fato de que agora tem uma nova bruxa interessada em Jeremy, só que isso não é nem um pouco importante. Talvez o fato de Caroline ter jogado algumas verdades na cara de Tyler e se libertado da culpa tenha sido a coisa mais interessante dessa trama coadjuvante. Tyler está tão deslocado que até o roteiro, através de Damon, cutucou o personagem questionando o que ele ainda está fazendo lá. O problema é que já que nem em New Orleans as coisas deram certo pra ele, sua presença poderá ser constante por um bom tempo em Mystic Falls.

Gone Girl passa a ser mais um divisor de tramas na temporada, que está quase em sua fase final. Concluindo isso podemos dizer que o saldo ainda é positivo comparando o desastre da temporada passada, que foi super arrastada. O roteiro e alguns (ou melhor, muitos) argumentos continuam furados, mas o Move On da série está bem rápido dessa vez, o que acaba tornando tudo muito mais divertido de acompanhar, afinal, é por isso que muitos ainda se mantêm firmes com a série.
Share on Google Plus

About Wellington Laurindo

Não vive sem música e tem em sua mente uma trilha para cada momento/ período de sua vida. Na vida de seriemaníaco há uns cinco ou seis anos, mas com um background de seriados clássicos desde sua infância. Está deixando a vida ditar por si própria os caminhos que deve seguir e esperando que isso venha dar certo. (@Wellington_Ign)
    Blogger Comment
    Facebook Comment