Chicago Fire 3x01 - Always

"Who wants to go through life without some heartbreak?"

Dick Wolf pisou no meu coração! Ainda estou surpresa pela jogada ousada acerca da morte na estreia da terceira temporada de Chicago Fire. Antes que vocês perguntem, foi decisão criativa, ninguém pediu pra sair. Antes que vocês notem o tamanho da minha dor, sim, estou devastada. É uma perda enorme, deixa um impacto gigantesco nas vidas dos que seguem e eu não sei como esse texto terminará de ser escrito, uma vez que eu só penso em chorar... 
We do a dangerous job. We all knew that when signed up. You reach out to each other. You'll be there for each other. Always. 
Com a narração do Chief, enquanto cenas eram recapituladas, pudemos voltar para o exato momento da explosão do final do último episódio e começar o jogo de adivinhação sobre quem morreria. Achei que as cenas iriam arrastar-se, mas não. A morte de Leslie Shay veio de supetão. Como sempre é. Como deve ser. Como acontece na vida real. É sempre uma surpresa, sempre um choque, sempre triste. Não escolhe, apenas invade e preenche o lugar da pessoa com a falta. Vazio, este, que foi contado no restante do capítulo iniciado em '6 semanas depois' do fatídico dia (e eu quero deixar o meu caloroso aplauso à produção por não pisotear nossos sentimentos com funeral ou coisas do tipo). Me senti vendo o piloto da série. Como o 51 sobrevivia após perder o 'estranho conhecido' Andy Darden. Desta vez, o foco era sobreviver sem a paramédica loira de sorriso farto e humor peculiar. Não foi fácil, principalmente para Dawson e Severide. 

Mills estava de volta, após quebrar a perna no incêndio. Kelly sumira (foi fazer o Dexter lenhador nas colinas), Gabby cobria os turnos na ambulância até que a papelada para sua transferência como bombeira no 105 saísse. Conhecemos Sylvie, a nova paramédica, e qualquer semelhança física com Leslie pode não ser mera coincidência. Parecia tudo igual, exceto pelo luto. Um diferente de quando Rebecca cometera suicídio; um mais forte. Pra Sev, o 51 está amaldiçoado, "nothing but misery and heartbreak there," para Matt, tais perdas não representam mortes, sim vidas que foram salvas. Para Dawsey foi um 'não' pro pedido de casamento: é triste ver que a lembrança daquele momento não é a do amado ajoelhado oferecendo-a um futuro, mas da melhor amiga morta; daqueles momentos em que a dor rasga qualquer pedaço de felicidade. "You said Shay told you we'd be great together. I choose to have that memory of that day." Mas achei linda a cena em que eles mostram que estão juntos ao passo que a Gabby afirma pro Casey que ela o diz 'sim' todos os dias. Por falar no tenente, outra linda cena dele com o caderno de salvamentos a fim de trazer Kelly de volta ao convívio/trabalho! Ninguém melhor que ele para resgatar alguém de si mesmo quando diz respeito a perdas (Andy, Hallie, a situação familiar complicada); ele esteve no limbo muitas vezes.

Mouch foi uma válvula de escape no 3x01. Seja querendo entrar no negócio do Molly's com Cruz a fim de pensar numa expansão de franquias, seja tentando tirar o Chief do trabalho a fim de ajudá-lo a 'não precisar pedir ajuda', ocupando a rotina dele com 'diversão', ainda que contra a vontade do Boden, mas todo o apoio de Donna, rs, e eu quase não reconheço Platt sem o uniforme naquela cena do encontro duplo! Mills volta, ainda mais forte pelas informações que recebera, pra investigação acerca a família paterna e eu confesso não ter dado a mínima pra estas cenas! Enquanto a série tentava dar um ar de continuidade, foi nítido o emparelhamento entre Welch e Casey e a rivalidade entre os tenentes que só tende a crescer ao longo da temporada. Mas vamos falar sobre o que, realmente, me destruiu: as cenas finais! Parece que a CF guardou pro final a carga mais forte. Gabby tem visitado um terapeuta. Foram 5 semanas sem nada dizer, até que ela ruiu: trocar de lugar com Shay segundos antes de tudo acontecer a deixou culpada da morte da amiga; um gosto amargo na boca que a diz, diariamente, que poderia ter sido ela e a faz questionar porquê Shay se foi, o porquê dela continuar viva. Duro de assistir.

E o que dizer que Shayveride? E de todos os flashbacks? E do repassar na memória todos os momentos que eles passaram juntos, desde o começo da amizade, dividir apartamento a cogitar ter um filho? O que será de Kelly daqui pra frente? Ao arrumar as coisas da amiga para enviar à família dela, ele encontrou o vídeo do contrato de moradia entre eles e foi difícil não se emocionar. Quando a lágrima solitária no rosto do Severide escorreu, eu chorei. Quando Shay disse 'always', eu já estava aos prantos. Que cena! Leslie Shay, você é inesquecível. ALWAYS!
Rule 1 - We promise to never get into each other's business. Rule 2 - No matter how much work gets to us we never bring it home. Rule 3 - No matter how much life gets to us that we shouldn't bring to work. Because what we do is so much more important than all this. Rule 4 - That we promise to be there for each other. Always. No matter what.

Share on Google Plus

About Vanessa Reis

Hey 23, call me! (@neereis)
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário