Chicago Fire 3x04 - Apologies are Dangerous

"I just got tired of pretending."

Um episódio repleto de 'primeiras vezes'. Mouch voltou ao trabalho, Mills e Dawson exerciam suas novas funções, Kelly não precisou da farda para ser um heroi, Herrmann viu as escolhas do passado atrapalharem seu futuro. Como Peter bem disse a Sylvie, tudo muda num piscar de olhos, cabe a nós estar atentos para não deixar o momento passar sem vivê-lo; percebê-lo...

O incidente no metrô foi curto, mas rendeu uma carga de emoções que permearam pelo 3x04 inteiro. Kelly pode dizer que estava no local certo e na hora exata de impedir a condutora de ser assassinada pela dupla de marginais. Enquanto acreditarmos que sobreviver é abaixar a cabeça pro crime e fingir indiferença enquanto todos sofrem à nossa volta, nada vai, realmente, mudar. Aplicar os primeiros socorros na vítima foi providencial e podemos perceber que Shay continua viva, através dele. Foi muito tocante ter a pessoa que ele salvou no final do capítulo a fim de conferir-lhe um sopro de vida "I need to meet this paramedic friend of yours." / "She's here. I can feel her." E Severide precisa aprender a colocar pra fora o que está sentindo, a interação com o Casey foi maravilhosa e eu acredito que, ali, tenha sido o estopim pra que a esperança tenha sido reacesa. Me irritou muito ele dizer que não pode contar com ninguém e o Chief  não poderia ter colocado melhor as palavras ao dizer que aparecer não é estar presente. Acredito que, a partir de agora, ele seja capaz de viver com a falta de Shay; a conviver com a dor sem tornar-se um risco a si mesmo.

Dawson viveu a experiência de, pela primeira vez, ser tripulante e subordinada do caminhão 51. Gostei muito do fato dela não ter nenhum tratamento especial e encarar todos os trotes (bem sucedidos ou não, né Otis?!) e o trabalho na cozinha como Peter e Rebecca fizeram. É interessante vê-la trabalhar na base da hierarquia dos bombeiros e, apesar do desastroso começo no resgate, usar a inventividade em seu primeiro incêndio com vítimas! Outro ponto positivo foi perceber a liderança do Herrmann e que tenente maravilhoso ele será (mas confesso que não saberei lidar caso ele saia do 81, ele é o coração daquela Brigada, é a 'cola' que os une)!! Falando em união, o Molly's II foi reprovado na inspeção e tudo graças à implicância do Chief Hale com o Chris. Morri de rir com a quantidade de 'água energizante' na garagem do Chief e a cara que o Herrmann fez ao saber que seu passado empreendedor e a constante mania de meter os pés pelas mãos havia voltado para o assombrar... sensacional! Só um 'oh boy' pra justificar tamanha cagada! 

Mills e Brett formaram a nova dupla da ambulância 61 e o dia acabou reservando muitas surpresas para ela. Harrison, ex-noivo, apareceu querendo reconquistá-la de volta. Não bastasse toda a carga emocional, o salvamento de 15 pessoas não preencheu o vazio da única vida perdida, sua primeira no trabalho. Deve, sim, ser desafiador um trabalho como o deles, ser desgastante e perverso de assistir todas as coisas a que eles são obrigados a presenciar diariamente, mas eu só consegui aplaudir o Peter no pequeno discurso que ele fez a fim de trazê-la de volta ao foco da profissão. Ele bem sabe que um minuto que passamos sendo vítima é outro perdido na própria recuperação; no renascimento. Ele tem sido inspirador e acompanhar o crescimento dele na série tem sido delicioso! Espero que Sylvie possa compreender a magnitude do trabalho e focar nas vidas que podem ser salvas, nos resgates determinantes pro futuro de alguém, uma vez que não se pode, infelizmente, salvar a todos. 

Torço para que Brett não volte pra Indiana, seria uma pena perder mais uma mulher no elenco (logo agora que estamos conhecendo-a) e eu começaria a acreditar que Dick e Derek têm problemas com o sexo oposto, rs! Preciso comentar que morri rindo da referência do Otis a "Noiva em Fuga" quando o Harrison apareceu! Vocês acham que Sylvie permanece ou vai embora de Chicago? Confira promo do próximo capítulo clicando aqui.


Melhores Quotes:

Condutora: Maybe you missed your calling.
Severide: My best friend was a medic. She drilled this stuff into me.
Condutora: Amen to her.
Share on Google Plus

About Vanessa Reis

Hey 23, call me! (@neereis)
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário