The Originals 2x02 - Alive and Kicking


Os sacrifícios de Elijah.

Desde TVD a figura de Klaus sempre foi a mais explorada, deixando o híbrido no centro das atenções e fazendo com que suas ações fossem vistas como controladoras e determinantes para muito do que acontecia ao seu redor. Mas o que vem sendo mostrado ultimamente é o quanto as atitudes de Elijah tem grande influência sobre tudo isso devido a forma como ele lida com o irmão. Esse segundo episódio entre muitas outras coisas consegue mostrar nitidamente o que Elijah tem feito para manter um equilíbrio nas ações do irmão.

Os flashbacks foram utilizados mais uma vez primorosamente. No inicio eu não sabia muito onde as coisas iriam chegar ou que mensagem estavam querendo passar. Foi muito interessante ver esse lado da história, porque Elijah sempre foi mais humano do que Klaus, mas no fim das contas foi o híbrido que criou laços com uma criança e praticamente o adotou como filho. Do decorrer dos flashbacks vimos que Marcel e Elijah criaram uma ligação muito natural, despertando o ciúmes de Klaus e fazendo-o agir inconsequentemente. Para que o irmão não perdesse o pouco da humanidade que lhe restava Elijah decidiu abrir mão do apego que tinha criado com Marcel. Nos dias de hoje Elijah faz o mesmo, mas na situação vemos Hayley como a pessoa que ele está abrindo mão de aprimorar a relação. Hayley evoluiu muito desde os acontecimentos do season finale, ao mesmo tempo em que vive momentos de decadência. Ter que se afastar da filha junto com a transformação em híbrida fez um nó na cabeça dela. Por incrível que pareça a influência de Klaus tem ajudado a personagem a passar por esses momentos, ainda mais porque ele compartilha do mesmo sofrimento. Enfim, Elijah mais uma vez se distancia em favor do bem dos outros.

Esse segundo episódio me agradou por inteiro e um dos fortes motivos foi a questão de não enrolarem com a história das chegadas de Esther e Mikael a New Orleans. Houve uma sequência de acontecimentos que se ligaram de certa forma. Davina não precisaria pedir proteção de Mikael se não fosse a ataque planejado por Esther, que por vez, não fez questão nenhuma de esconder quem era na conversa com o filho. Nunca tinha me ligado que apenas pessoas da família original pronunciam Niklaus, apesar de estar sempre muito nítido e esse foi o pontapé inicial para que ele descobrisse o disfarce da mãe. Adorei o enfrentamento que eles tiveram, face a face. Aliás, escolheram muito bem a atriz que está interpretando Esther, a menina mostra uma autoridade e soberania incríveis diante dos outros que claramente são mais velhos do que ela.

Outra coisa que me deixou intrigado e com aquela sensação de plottwist foi o fato de Kol não revelar para a mãe a presença de Mikael na cidade. Um rebelde sempre será um rebelde independente do lado que ele esteja e foi isso o que aconteceu em relação ao personagem. Kol sempre teve o espírito livre e hoje ao ter que viver pelo domínio da própria mãe está lhe causando uma revolta, que pode vir a ser bem conveniente em contratempos futuros.

PS: Cami nem fez falta. Só está no elenco pela cota humanos burros sem nenhum tipo de magia.

Share on Google Plus

About Wellington Laurindo

Não vive sem música e tem em sua mente uma trilha para cada momento/ período de sua vida. Na vida de seriemaníaco há uns cinco ou seis anos, mas com um background de seriados clássicos desde sua infância. Está deixando a vida ditar por si própria os caminhos que deve seguir e esperando que isso venha dar certo. (@Wellington_Ign)
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário