The Voice Brasil 3x11/3x12/3x13 - Shows ao vivo - Parte 1, 2 e 3


Essa postagem vai resumir os 3 primeiros programas da última fase da competição. Mais do que piadas eu vou tentar explicar o que levou a eliminação dos 12 semifinalistas até que restassem os 4 cantores na final. Vou também tentar explicar algumas mudanças que precisam ser feitas e o perfil de cada técnico.

Tentar explicar a principal diferença dessa temporada para as anteriores e porquê pela primeira vez não temos certeza de quem irá vencer. 

Para introduzir o primeiro ponto que quero levantar (e já foi levantado em outras postagens) é o formato. A última fase do programa The Voice Brasil está com um sério defeito e precisa ser revisto.

Com esse sistema em que o favorito é salvo pelo público e os demais ficam a disposição do técnico acaba com que tira-se um pouco da emoção e surpresa nas fases seguintes. Ainda que no penúltimo programa tivemos duas surpresas, os demais programas e os demais times foram bem óbvios. Inclusive nas outras duas temporadas as pessoas que eram salvas pelo público no primeiro episódio da última fase, eram salvas sucessivamente. SEMPRE!

E como resolver?

Entregar totalmente essa fase ao público eliminando o menos votado de cada time sem revelar quem eram os mais votados. Ou ainda mais radical, eliminar os mais votados do dia, ainda que seja mais de um do mesmo time. Fazendo assim que na final cheguem os favoritos do público e o suspense seja mantido sempre!

Outro problema é a forma final. Do que adianta dar 30 pontos para os técnicos distribuírem se eles distribuem igual? É o mesmo que nada! Mas que técnico na véspera da final vai querer ir contra o público? Nenhum! O ideal é que essa fase de distribuição de pontos seja feita em uma fase anterior e com valores que não sejam divisíveis em partes iguais pelo número de candidatos. Por exemplo, se tivermos 5 candidatos coloca 37 pontos e sendo obrigatório distribuir números inteiros eles seriam obrigados a sair da zona de conforto (além de ainda não ter noção de preferências do público). 

Mas vamos entender o que aconteceu?


Time Carlinhos Brown


Eu defini Carlinhos Brown como o técnico mais técnico. Pareceu um certo pleonasmo mas é isso mesmo. Ele faz escolhas acertadas, porém, por vezes deixa os critérios técnicos (afinação, postura, timbre) falar mais alto que popularidade e carisma. Entretanto, apesar do discurso entre os técnicos que nenhum defende um estilo, Carlinhos defende sim. Ele dá prioridade aos cantores de musicas nacionais e regionalistas ou os que se enquadram no black music. Tanto que ele tem dificuldades em virar a cadeira para alguém que canta em inglês (a não ser que o participante seja muito bom) e seus últimos nomes sempre são cantores que praticamente não cantam músicas internacionais: Ellen Oléria, Ludimilah Anjos, Marcos Lessa, Lucy Alves, Romero Ribeiro e Rose Oliver. Porém apesar de não formar um time extremamente forte de início ele sempre leva cantores fortes para a última fase, já que suas batalhas e disputas são sempre montadas com um óbvio a ser eliminado. Brown seria minha segunda opção de escolha de técnico.

Paula Marchesini - 4ª Colocada

Paula já tem que ficar feliz por chegar a última etapa do programa. Outros candidatos, com maior potencial de voz e público como Vanessa e Helen Lyu ficaram para trás. Mas não foi que Brown fez escolhas erradas, é que os grupos formados por ele favoreciam Paula, já que em todas as fases ela enfrentou participantes bem fracos, sendo assim uma mistura de justiça com pitadas de sorte. Vestida de Fafy Siqueira imitando Roberto Carlos, Paula fez a pior apresentação do time do Brown e a pior dela em toda disputa. Numa péssima escolha, a "Vou deixar" de Skank denunciou a fragilidade da voz dela em alcançar notas mais altas. Se ela tinha esperança em sobreviver aqui, ela era uma pessoa muito utópica, e se dividir essa esperança em partes iguais entre a humanidade causaria a paz mundial. Apesar dos pesares, foi otimista ao ser eliminada, demonstrando o certo: estava feliz por ali ter chegado.

Joey Mattos -  3º Colocado




Talvez o maior erro do Brown, mas nada grave comparado a Lulu e Daniel. Joey trouxe para competição uma personalidade e um estilo não visto em nenhum outro candidato: ele era incomparável. Marrento, com voz rouca, timbre única, cantava sem esforço, usando outros artifícios interessantes como bitchbox. Em sua última apresentação cantou um samba de Noel Rosa, "Conversa de Botequim" mostrando que merecia estar ali. Somado a isso cativou boa parte do público, e talvez por isso era o único outro candidato no time a ponto de desbancar o Romero. Só acho que o que nesse natal todo mundo deveria receber é uma miniatura do Joey em casa. Ir num show dele eu não sei dizer, mas ir a um show com ele deve ser fantástico porque o cara demonstra a alegria em pessoa. Mas Brown optou por técnica, e manteve Rose no time, que é boa cantora, mas não boa artista.

Rose Oliver - 2ª  Colocada 


Rose Oliver tem um bom potencial vocal, daqueles de nos fazer relembrar a primeira vencedora do programa. Porém como o próprio Thiago falou ela é uma cantora gospel e não tem jeito. Ela transforma toda canção em música evangélica. E uma das consequências disso é uma postura no palco mais contida do que certas músicas pedem. Isso tudo gera pouca identificação do público. Em sua última apresentação cantou Lanterna dos Afogados e se eu não entendesse português poderia jurar que é um momento gospel do programa. Apesar de ter um maior potencial que Romero ela não tinha uma personalidade consolidada e consequentemente um público. Não deixo de reconhecer que ela é uma excelente cantora, mas não para o The Voice Brasil. Se fosse um Raul Gil, quem sabe?

Romero Ribeiro - Finalista


Aos que não sabem o que ocorreu no último episódio, segue uma breve explicação. Kim Lírio, Leandro Buenno e Nonô Lelis formaram uma parceria, e por estarem em times diferentes pediam votos um para os outros. Uma das grandes razões é que ainda que estilos diferentes, eles atendem o mesmo público: jovens. Então, obviamente havia entre os fãs de um alguns que eram simultaneamente fã de outro. Mas o principal motivo que os 3 sempre se classificavam pelo voto do público era o mesmo que Romero (que não participava dessa aliança): eles tinham uma torcida que se mobilizava. Que reunia, votava, e defendia seu ídolo. Alguns telespectadores inconformados com esse resultado (o que é de direito, já que o voto é nosso) começaram a criar movimentos virtuais denominados "Vamos acabar com essa injustiça" reunindo mais de 2 mil membros para defender que os finalistas da disputa não fossem nenhum deles.

2 mil pessoas pode parecer pouca coisa num primeiro momento, mas considerando que a votação dura poucos minutos, se essas pessoas votarem incansavelmente, os rumos podem mudar.

Entretanto, havia (e há) duas coisas que eu discordo desse movimento. Primeiro: a maneira agressiva que eles comportavam. Invadindo a pagina dos próprios artistas, criando caos, ofendendo, dizendo que era falta de ética (oi?), roubo, como se você como candidato/cantor pedir voto para outro candidato/cantor que você agrada fosse alguma falta de escrúpulo. E pior, as pessoas não percebiam que elas estavam sendo aquilo que elas criticavam, mas elas se sentiam as "justiceiras".

Segundo que a motivação deles não era por gostar demais de alguém, era por não gostar de outro. Entenderam a diferença? Uma coisa é se mobilizar porque você ama X, outra coisa é você se mobilizar porque você odeia Y e quer que X vença só por seu repudio a Y. Ai parece birra de criança pequena no pior estilo: se o meu não vencer o seu também não vence. Pois foi muito que li, até gente dizendo que não gostava de Jésus, mas o justo (oi?) seria ele vencer o Kim.

Os grupos e fóruns sobre The Voice viraram uma tremenda guerra e o Romero Ribeiro que não estava nem na aliança acabou pagando o pato. Entrou no balaio junto e queriam a todo custo levar a Rose para a final.

Se o seu oponente fosse alguém mais popular, como no caso Joey, ele correria risco, mas alguém com tão pouca expressividade popular como Rose, a vitória de Romero não foi abalada. Afinal não foi apenas o movimento dos 'justiceiros' que determinou os finalistas, já que muito mais de 2 mil pessoas votam, mas ele contribuiu sim.

Romero Ribeiro permaneceu no seu estilo e cantou "Assim você mata o papai" do Sorriso Maroto. Romero é um bom candidato que atende aquilo que é proposto. Talvez foi o candidato mais linear, pouco variando nas suas apresentações, e a qualidade não oscilava também. O estilo dele exige pouco potencial de voz, mas as pessoas esquecem que exige uma tremenda presença de palco e carisma para conseguir levantar a galera. E se fez isso e cativou o público, por que não? O pagode é um estilo musical que sofre muito preconceito em competições musicais e eu sou contra o lema "tem que cantar de tudo". Ele conquistou o público sendo o que é e fazendo bem o que planejou fazer, essa vaga merecidamente é dele, mesmo que nos meus sonhos Joey representaria o finalista ideal.

Motivos para ele não ganhar: As pessoas o comparam com uma cópia do Alexandre Pires tanto na aparência quanto vocalmente, além de alegarem que ele canta muito pouco para se tornar vencedor.

Motivos para ele ganhar: Nunca vimos um pagodeiro sendo consagrado campeão em qualquer competição musical no Brasil. E é um estilo que tem seu valor. Romero preencheu bem suas deficiências, com presença de palco, desenvoltura, e voz não deve ser mais um critério isolado a ser analisado.


Time Daniel


A palavra que resume Daniel como técnico é aleatório. Ele não prioriza nem técnica nem popularidade para basear suas escolhas. É tudo embasado no aspecto "coração". E tem algo mais aleatório que coração? Empatia não se explica e cada sua pessoa se encanta por alguém por diferentes formas. Dessa maneira, Daniel em todas as temporadas montou os times mais fracos e menos populares somado aos finalistas com menos chances de vencer a competição. Afinal, apesar de dorar Liah Soares e Rubens Daniel era óbvio que eles não teriam muita chance na final. Isso tudo é fruto de sucessivas ações que fogem do nosso compreendimento. A única fase que Daniel é coerente é nas batalhas, mas que eu acredito que há uma grande influencia de sua assistente Luiza Possi, que eu inclusive acho que merecia bem mais o posto de técnica que o Daniel. Daniel deve ser uma pessoa ótima para conviver mas para o um programa como esse não dá mais. Sua personalidade é muito apática e até mesmo suas falas são repetitivas:

"Vocês ai de casa não estão vendo, mas a produção está de parabéns! A organização deles para mudar o cenário entre cada apresentação. Uma agilidade!"

"Eu queria agradecer ao Vini, meu produtor musical!"

"Eu acho que você deveria me escolher porque Gabriel combina com Daniel"

"Eu vou seguir meu coração"

E é só isso que ele diz, repetidas vezes, sempre. Sem enriquecer o programa, deixando o público revoltado, os participantes se sentindo injustiçados e deixando seu gosto pessoal ser o critério mais importante numa competição que envolve TANTA coisa, TANTOS sonhos é foda.

Pode ser que o Kim Lírio se consagre vencedor? Pode! Mas o porquê disso eu irei explicar mais adiante!

Daniel seria a minha última escolha como técnico e vamos entender como foi o time dele na reta final.

Carla Casarim - 4ª Colocada


Carla era sem dúvidas uma das competidoras mais merecedoras dessa disputa. Com timbre e afinação incrivel, era impossível não considerá-la uma das melhores vozes do programa. O problema é que o estilo dela é um mpb mais lento, o que consequentemente atrai menos público e grande parte das músicas escolhidas eram pouco conhecidas ou bem antigas. Disputando contra uma dupla sertaneja de galãs e um ex participante quase finalista do Ídolos, realmente ela não teria muita chance. Mas sinceramente, entre ela e Jésus eliminá-la? Primeiro que ela é vocalmente superior a ele, e enquanto ela fez simplesmente a melhor apresentação da noite cantando "Atrás da Porta" de Chico Buarque, Jésus permaneceu nas escolhas clichês de musicas mais tocadas no videokê, trazendo uma apresentação chatissima. É arriscado dizer qual dos dois é mais popular, pois acredito que nesse aspecto ambos possuem um público igualmente pequeno. Entretanto, ao eliminar Carla, Daniel foi vaiado pelo público presente (o que eu só me recordo de ter acontecido na eliminação de Dom Paulinho), mostrando que havia mais gente insatisfeita que feliz com a decisão. Pior do que a eliminação de Carla foi a resposta de Daniel: "Se queriam que ela continuasse, por que não votaram?"

Caro Daniel,

Talvez porque ela estava competindo com um ex-ídolo que já era conhecido antes do programa? Ou talvez porque o público só podia salvar UM de QUATRO, enquanto você tinha o poder de salvar DOIS? Talvez porque tradicionalmente em competições musicais com votação popular aqui no Brasil é mais comum homens vencerem e não mulheres já que vivemos em uma sociedade patriarcal onde a figura do homem é sempre mais idolatrado que uma mulher (com exceções, por exemplo, o público gay tende a torcer por candidatas femininas)?

Enfim, passarei minha vida ligando para todas as Carlas da lista telefônica e pedindo desculpas em nome de Daniel, E ainda assim, não será suficiente.

Vítor e Vanuti - 3º Colocado



Se então qualidade não era fator primordial para Daniel, deveria ser popularidade, certo? Não. Vitor e Vanuti que possuem simplesmente 5 vezes mais curtidas na página que Jésus foram eliminados na disputa contra o mesmo. De acordo com Thiago Leifert (e eu concordo) uma das melhores duplas sertanejas da atualidade. Super afinados, escolhendo músicas priorizando mais a qualidade que a popularidade, em perfeita sintonia com dupla bonito visual, e o único concorrente com potencial para desbancar Kim Lírio. Cantando "Se Deus me ouvisse" de Chitãozinho e Xororó, Vitor e Vanuti foram salvos uma vez pelo público, mas não conseguiram vencer a esquizofrenia de Daniel.

Nesse momento eles devem se questionar se o ideal não teria sido que nas batalhas Daniel os eliminasse e eles que

O maior lamento é que eles foram eliminados e até hoje não sei quem é Vitor e quem é Vanuti porque eu sofro do terrivel mal de achar que Chitãozinho e Xororó são a mesma pessoa.

Jésus Henrique - 2º Colocado


As pessoas devem achar que eu implico com alguns participantes a cada temporada, mas quem me acompanha sabe que se o participante me surpreende eu mudo meus conceitos sobre ele, como fiz com Kall Medrado e Priscila Brener. Agora Jésus não da. Eu escutava os barulhos das correntes toda vez que ele subia no palco. Correntes porque foi assim que ele prosseguiu em todo o programa: arrastado por Daniel.  Sabe aquelas tias que compravam um DVDOKÊ cinco anos atrás, mas somente UM DVD com 10 músicas e ai seus primos passaram o natal inteiro cantando as 10 músicas mais clichês da história? Pois é. Acho que é desse mesmo dvd que Jésus escolhe as canções, porque NÃO TEM CONDIÇÃO. Apresentações fracas, menor popularidade entre os semi-finalistas, só me faz crer
que as escolhas eram baseadas num sentimentalismo barato comovido com toda história de vida e simplicidade que ele transmitia. Mas isso não é programa de caridade. O próprio Thiago Leifert, no dia da eliminação da dupla "brincou" perguntando se Daniel ia salvar novamente o Jésus.

E aquela história do oratório? Que ele fez um presente para o Daniel e blablazzzzzzzzz. É óbvio que Daniel não o levou até ali por causa de um oratório, mas eu evitaria presentear um técnico durante uma competição. Pode não ter sido compra do técnico mas eu não consigo tirar da cabeça que Daniel estava pagando uma promessa salvando tantas vezes o Jésus.

Sinceramente, ainda que eu ache a última música cantada por ele "Final Feliz" do Jorge Vercillo, após vê-lo tirar candidatos que eu amei como Rafaela Mello, Carla Casarim e Vitor e Vanuti, não consegui chegar em outra conclusão da eliminação de Jésus: já foi tarde.

Kim Lírio - Finalista



Kim é o único finalista em que o público principal é adolescente. E é ai que está a grande vantagem dele nessa final. Entretanto, se a popularidade for medida com curtidas de facebook, ele era o mais popular do time do Daniel, sendo Vitor e Vanuti os únicos adversários potencialmente populares a ponto de alcança-lo nesse critério. Acusado de formar alianças com os fãs de Leandro e Nonô, houve revolta por parte do público, como explicado anteriormente. A diferença é que o grupo que se formou para eliminar esses candidatos que até então sempre eram salvos pelo público só conseguiram fazer diferença quando o adversário era alguém com um certo grau de popularidade. No caso de Kim que enfrentou o arrastado do Jésus conseguiu vencer com a maior diferença de porcentagem nessa reta final.

Só que agora, os fãs que antes poderiam estar divididos entre Leandro, Nonô e Kim irão focar apenas em Kim. E dessa vez a votação dura uma semana apenas. E adivinha quem está de férias? Pois é. Acho que talvez possa ter sido um tiro no pé. Se a desculpa do grupo dos "revoltados" era que nenhum deles (Nonô, Leandro, Kim e Romero) mereciam vencer, pode ser que fizeram com que o menos popular entre eles, acabe se tornando vencedor.

Assim que conquistou sua vaga na final cantando Nickelback, iniciou um choro seco, mostrando que frequentou a escola de lagrimas falsas Kall Medrado.

Motivos para ele não ganhar: Ele desafina bastante em algumas apresentações e tantas figuras do Rock passaram por temporadas anteriores que não seria legal vê-lo como representante desse estilo melhor sucedido. Além disso, algumas pessoas alegam que o fato dele ter juntado torcidas o torna menos merecedor do prêmio.

Motivos para ele ganhar:  Ao Kim Lírio que participou do Ídolos com o Kim Lírio que participou do The Voice Brasil observamos um crescimento absurdo. Outros candidatos, como Nise, até decepcionaram do que já foram um dia. Esse crescimento merecia ser coroado.

Time Claudia Leitte


Claudinha pode ser definida com uma palavra: estratégica. Ela é sem dúvidas a técnica que mais joga para vencer. Primeiro que ela pesquisa muito em redes sociais para ter sempre sua decisão baseada na popularidade. Ainda que seu gosto pessoal discorde do público, ela escolhe sempre pensando quem melhor se dará nessa competição. Alguns podem citar que se fosse assim, porque ela teria eliminado Nonô Lellis? A Nonô ainda não era tão popular, tendo em vista que ela apareceu somente no último programa de audições enquanto a gravação das batalhas começou antes mesmo desse programa ir ao ar. Então a popularidade de Nonô era incerto, enquanto Priscila Brener tinha um dos vídeos de audições mais visto de toda temporada perdendo apenas para Deena Love. Somado a isso, Claudia tem dois pontos importantes: primeiro que ela tenta levar o maior número de participantes a cantar com ela em shows aumentando assim a popularidade dos mesmos. Sendo assim por ser a técnica de maior número de fãs e esse apoio que dá aos candidatos,  muitos participantes optam por ela formando sempre um dos times mais consistentes da competição: começa forte e termina forte. Se eu fosse para o The Voice e todos os técnicos virassem para mim, eu iria para o time dela.

Kall Medrado - 4ª Colocada


Indiscutivelmente o time de Claudia era o mais acirrado. Os 4 eram populares e cantavam bem. Kall Medrado só foi eliminada pelo critério que expliquei anteriormente: estratégia de popularidade. Leandro, Nise e Lui em algum momento do programa haviam sido salvos pelo público, enquanto Kall, ainda que tivesse feito uma boa apresentação na fase do Tira-Teima estava lá por conta apenas das escolhas de Claudia. Admito que Kall não teve seu melhor show na apresentação ao vivo, mas ainda assim continuava sendo um nome forte e uma eliminação sofrida. Há rumores que mudaram em cima da hora a canção dela, que no caso foi "Happy" de Pharrell Williams. Ela parecia murmurar alguns trechos como se não soubesse a letra ou estivesse sem ar. Entretanto, diferente de Carla Casarim, não havia outro nome para sair que não fosse ela.

Nise Palhares - 3ª Colocada


Nise não é uma cantora ruim, mas ao assistirmos ela no Ídolos e ela aqui não notamos nenhum crescimento ou mudança. Parece que é no dia seguinte. Além de que nenhuma de suas apresentações foi surpreendente fazendo com que toda sua popularidade seja mais pré-show. Ao cantar de Janeiro a Janeiro de Nando Reis, fez uma boa apresentação para fechar sua eliminação, tendo Milk novamente feito a escolha correta. APós Leandro Buenno vencer duas vezes consecutivas a votação pelo público ela tinha a opção entre Lui e Nise. Lui ao menos uma vez já havia vencido Leandro, já Nise não. Se havia uma disputa mais acirrada seria entre Lui e Leandro, assim como foi feita a decisão.

Leandro Buenno - 2º Colocado


Leandro Buenno foi o participante que mais me conquistou nessa temporada. Seu estilo, seu falsete, sua movimentação no palco, escolha de suas músicas, enfim, tudo fazia eu querer repetidas vezes ver suas apresentações. Por outro lado ele teve apresentações bem decepcionantes como foi o caso do Tira-Teima. Leandro acho que tem um público muito especifico que se identifica com ele, fazendo com que ele seja potencialmente comercial. "Animals" de Maroon 5 deixou um pouco a desejar, mas Latch, Couting Stars, Stay e Love Runs Out foram incríveis. Ele e Lui são igualmente populares só que com públicos diferentes. Devido a confusão já explicada das alianças em que grupo de pessoas se reuniu para tirar os que haviam vencido a votação popular nos 3 programas anteriores por julgar a aliança como "errado". E o resultado é que numa disputa tão acirrada entre Leandro e Lui, Lui acabou saindo vitorioso.


Lui Medeiros - Finalista


Lui foi um grande desde o primeiro dia quando teve as quatro cadeiras viradas. A grande surpresa foi ter sim "eliminado" nas batalhas e quase não ter sido salvo, já que apenas Claudinha ainda tinha "peguei". Ainda que Deena fosse uma ótima candidata também o grande erro foi de Lulu coloca seus dois melhores do time para duelar, ficando no fim sem nenhum deles. Lui chegou em um time forte. O momento decisivo foi ser salvo pelo público no Tira-Teima contra 3 outros candidatos extremamente populares. E ai ganhou um espaço na lista de Claudinha que optou por salvá-lo e eliminar Kall e Nise. Nas redes sociais ele sempre apresentou mais fãs que Leandro, mas Leandro o venceu duas vezes consecutivas, seja pela aliança com Kim e Nonô, seja pelos seus fãs terem o perfil de votarem mais intensamente.

Num dos resultados mais surpreendentes, tirando o programa da obviedade,  ele venceu Leandro Buenno cantando Michael Jackson. Isso foi resultado de dois fatores: primeiro seus fãs que acordaram no risco de vê-lo ser eliminado por Leandro, segundo pelos telespectadores que se agruparam a fim de mudar os favoritos do público. Como os números sempre foram apertados, o jogo virou.

Motivos para ele não ganhar: Eu não consigo ver motivos para o Lui não vencer, só que muita gente  fã de Nonô e Leandro pode querer pagar com a mesma moeda e fazer movimento de votação em apoio a Kim, como resposta/vingança. O que seria ainda mais triste pois o vencedor seria uma pessoa que não seria nem a mais popular nem a melhor voz da temporada.

Motivos para ele ganhar: Lui é a melhor voz dessa final, foi impecável em todas as apresentações, tem um carisma incrível. Além de que seria magnifico ver alguém que foi rejeitado nas batalhas se consagrando vencedor. 

Time Lulu Santos

 

Lulu Santos pode ser definido em apenas uma palavra como técnico: maluco. O cara simplesmente tem o dom de iniciar as três temporadas com o time extremamente forte e levar pra última fase um time medíocre. Isso tudo porque ele é inconstante. As vezes ele valoriza o voto do público, outra ele valoriza técnica, outra ele valoriza seu gosto pessoal. Não segue uma linearidade. Somado a isso ele as vezes faz pesquisa para aferir a popularidade dos seus candidatos mas de maneira errada. Por exemplo, por meio de RT ele mediu a popularidade de Dom Paulinho, Luana Camarah e Pedro Lima . Com m resultado equivocado ele eliminou Dom Paulinho deixando Luana Camarah que é bem menos popular que o primeiro (Dom Paulinho tem simplesmente 300 mil curtidas a mais no facebook que Luana). Afinal o twitter não tem representatividade pois tem um público muito especifico e Lulu não precisava ser um gênio para saber isso.

Além de que ele elimina muitos bons candidatos nas batalhas, formando duelos entre dois fortes e dois participantes sem expressividades. A defesa dele é que ele quer proporcionar bonitos espetáculos, ok, né? Cada um tem sua prioridade, mas a minha não seria fazer parte de um time que o técnico não quer vencer. Uma prova das más escolhas dele nas batalhas são seus finalistas. Na semi-final nenhum dos dois candidatos do seu time eram dele inicialmente, assim como Maria Crhistina na primeira temporada. Isso aponta que os candidatos que "sobrevivem" no time dele as batalhas não são tão fortes assim já que são superados pelos "rejeitados de outros times". Ai vocês podem dizer: "Mas então o técnico que eliminou Maria Christina fez burrada, já que ela chegou a final por outro time". NÃO! Cada caso é um caso. Na ocasião Maria foi eliminada numa batalha contra Elen, a vencedora da temporada.

E se os dois semi-finalistas deles eram vindos de outros times, quer dizer que ele não tinha nenhum candidato bom suficiente inicialmente a ponto de chegar na semi-final? Errado! Tinha. Rose e Lui eliminados por ele, chegaram a semi-final em outros times.

Ou seja, só escolheria o time de Lulu Santos se a única outra opção fosse o Daniel!

Maria Alice - 4ª Colocada


Maria Alice era minha torcida do time de Lulu Santos. Seu carisma e potencial vocal conquistaram meu coração e o termometro de Fernandinha Sousa apontava ela e Nonô como as mais populares do time de Lulu. Havia uma guerra interna entre os fãs de Nonô e Maria Alice até mesmo porquê elas cantavam estilos próximos e era inevitável a comparação. Mas Maria Alice estava bem mais preparada que Nonô, mas o jeitinho de menininha de Nonô cativou mais fãs. O problema é que nessa guerra não era necessário já termos um vencedor de imediato. Edu Camargo tinha uma popularidade tão fraca que não compreendi o porquê dele ter permanecido. Ainda que Maria Alice tenha feito uma péssima escolha ao cantar "Problem" de Ariana Grande com um imenso corpo de dançarinos atrás exigindo assim que ela dançasse também para não destoar do restante, ela merecia continuar. Não sei se foi o salto alto, o vestido curto ou a falta de agilidade para dançar, mas ficou parecendo uma tia bêbada perdida na pista de dança das festa de família. Mas como Lulu é nosso técnico maluco, a gente não esperava algo diferente

Edu Camargo - 3º Colocado


Sem tanto exagero como o caso Jésus, Edu Camargo foi arrastado por Lulu sem nenhuma compreensão. Ainda que sua afinação seja sem criticas, seu timbre esganiçado agrada poucos. Além do mais, ele foi "responsável" por eliminar candidatos excepcionais como Dudu Filleti e Rose Oliver, competidores bem mais preparados para o programa, além é claro, da eliminada na semana anterior, Maria Alice. Ainda que eu também não morra de amores por Danilo e Rafael, eles mereciam bem mais passar para a semi-final que o Edu. E foi ai que tivemos nossa primeira grande surpresa, quando Lulu eliminou seu último candidato original do seu time (e aparentemente seu preferido) para levar adiante dois repescados. Ao som de "As dores do mundo", Edu se despediu da competição.

Nonô Lellis - 2ª Colocada


Nonô pode não ter vencido, mas sem dúvidas ela é um marco nessa competição. Sem presença de palco, sem conseguir andar de salto alto, a voz crua, provando que ainda é muito fraca vocalmente ao cantar "De repente Califórnia" trouxe um carisma fora do comum. Enquanto os demais participantes não alcançaram 100 mil curtidas no facebook, Nonô já está quase com meio milhão. As covinhas, seu jeito doce de falar, comportamento de menina tentando ser mulher, seus repetidos agradecimentos, seu maior contato com o público por redes sociais, colocar a cabeça de lado e encostar nos ombros, tudo isso foi fazendo com que o Brasil se apaixonasse por ela. Mas é claro, não eu. Até mesmo quem torce por ela reconhece que ela canta bem, mas nada superior a metade dos candidatos. Então por que tantos fãs? Acredito que essas pessoas levam em consideração o quão bem ela canta para idade dela. Ao cantar Miley Cyrus na semi-final, ninguém poderia imaginar sua eliminação. O problema de Nonô foi que a quantidade de fãs que ela construiu, construiu também de odiadores. Pessoas que tinham medo de ver seus favoritos perdendo na final para ela. E nessa luta, os que a odiaram venceram e Nonô voltou de rasteirinha pra casa.

Danilo Reis e Rafael - Finalistas


Danilo Reis e Rafael foi outra grande surpresa nessa final. Primeiro que a dupla que os eliminou nas batalhas (Vitor e Vanuti) não conseguiu desbancar Jésus e Kim no time de Daniel. Segundo porquê eles não só conquistaram espaço na final, mas conquistaram contra a candidata favorita ao prêmio dessa edição. Fugiram do sertanejo e cantaram um pop "Pra dizer adeus" de Nando Reis. O problema é que eles conquistaram essa vaga mais pelos que não gostava Nonô do que pelos que gostam deles. Será que teriam força para ganhar? Duvido muito. Acredito que o prêmio está entre Kim e Lui, mas como essa é uma temporada de surpresa, não nos resta nada a não ser esperar.

Motivos para eles não ganharem: Falta muita harmonia na dupla. A voz do deles não se encontram e a segunda voz quase não se houve devido a potência da primeira. Talvez se o com a voz de Zé Ramalho cantasse sozinho, tivesse mais chance.

Motivos para eles ganharem: É um dos estilos musicais de maior ascensão no momento. Um deles (que eu não sei diferenciar qual é) tem um voz muito peculiar e que dificilmente encontramos por ai. Esse timbre diferente, pode ganhar muita gente.



Tudo que escrevi aqui são suposições. Diante uma temporada com algumas surpresas, sem favoritos definidos e muita guerra entre fãs preferi focar mais nas trajetórias de cada candidato e as razões que levaram cada um até ali do que fazer piadas com as roupas e momentos. O menor público dessa temporada somado a nenhum participante de força surpreendente faz com que os de popularidade mediana se deem melhor. Se pegarmos como exemplo o BBB, em temporadas com Diego Alemão e Marcelo Dourado que no meio da temporada já eram consagrado vencedores e já tinham mais de 50% do público, o mais popular inevitavelmente vence.  Em temproadas que a popularidade se divide entre dois candidatos como no caso do BBB13, em que Anamara e Kamila eram rivais e populares, a torcida de uma eliminou a outra, fazendo com que Fernanda que não era tão popular quanto ambas, mas também não tão odiada, se desse melhor. Em questão de popularidade sem dúvida Nonô conquistou mais fãs, mas na balança ela acabou levando a pior. Sem um candidato forte definido o que nos resta é esperar! Tanto pelo resultado, quanto por mudanças na próxima temporada que virá. Porque a única certeza que temos antes da final, é que o programa precisa de mudanças.

Share on Google Plus

About Vinícius D'Ávila

Viciado em reality show, vive em um mundo paralelo onde acredita veemente que vive em uma especie de "O Show de Truman". Ficou anos em depressão após a morte de Juliet em Lost, mas já superou. Coleciona feijão enlatado na expectativa de um apocalipse zumbi. Seu maior sonho é virar técnico do The Voice, mas não sabe cantar - e nem quer aprender. Não usa óculos, mas achou que ficaria legal estar com esses nessa apresentação.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário