The Originals 2x09 - The Map of Moments


Planos premeditados.

O Winter Finale de TO superou minhas expectativas e trouxe um episódio cheio de reviravoltas interessantes para a segunda metade da temporada. Durante esses nove episódios a série só cresceu e, acreditem, não teve sequer uma semana ruim para descartamos dessa safra. Um roteiro bem elaborado e realmente bem pensado, construindo uma ótima história a partir das pontas soltas deixadas do primeiro ano.

As investidas de Esther na intenção da verdadeira redenção de seus filhos foram totalmente mal sucedidas.  Seus planos seguiam bem, mas as interferências de Kol acabaram sendo cruciais para que nada saísse como o planejado. Colocar Rebekah num corpo de uma avulsa aprisionada numa casa enfeitiçada foi uma jogada de mestre e uma perfeita vingança para quem o traiu no passado. O meu alívio nessa história é que o corpo de Rebekah foi reservado e enquanto a série existir ainda teremos a esperança de vê-la em sua verdadeira pele de novo. Não acompanhei a web série do Kol, mas dizem que a série deu continuidade ao que estava sendo contado lá e isso é mais uma prova de que os roteiristas estão realmente preocupados em costurar tramas e de que nada ali está sendo jogado aleatoriamente. 

Cami, que quase serviu de hospedeira para a nossa original preferida, cai de novo no mundo de inutilidades, já que depois disso não vejo uma trama de verdade para a personagem. Ela voltou a fazer parte da cota de humanos que são sempre os últimos a saberem das coisas e que de vez em quando são usados como reféns em situações extremas. Nesse quesito os roteiristas precisam prestar um pouco mais de atenção.

Voltando ao início do episódio, preciso falar do quanto foi interessante ver essa família de seres sobrenaturais tentar, pelo menos por um instante, criar um momento de fraternidade na hora em que estavam todos juntos. O encontro de Hayley e Hope foi muito bonito e emocionante, mesmo esperando muito mais disso. Já o momento da selfie foi impagável, ainda mais com a reação de Klaus na hora da foto. Esse tipo de coisa destoa um pouco do tipo de história que a série tentar contar, mas por outro lado, não podemos esquecer de que tudo se passa neste século, onde a tecnologia está bem presente em todos os lugares.

Klaus, nosso protagonista badass, mais uma vez ágil com astúcia e proporcionou a Esther o que para ela seria a pior coisa que poderia acontecer.  Se tornar vampira vai contra todos os seus princípios e a coloca numa posição incrivelmente difícil, já que agora ela não tem mais seus poderes de bruxa e morrer para voltar em outro corpo capaz de dar continuidade em seus planos envolvendo magia necessitará de outra pessoa com uma magia muito mais forte. Vejo nisso o envolvimento de Davina sendo construído nos planos da mãe original. Esther provavelmente tentará contatar a garota para seu lado e assim dar seguimento no seus planos de destruir Klaus, sendo esse uma coisa em comum entre as duas. Essa reviravolta foi um grande divisor de águas na trama da temporada, fazendo com que quase tudo o que venha de agora em diante seja um surpresa, com poucas chances de especulação.

Para os shipadores de plantão teve a tão aguardada pegação entre Hayley e Elijah. Ela ainda insiste nessa história de se casar com Jack em benefício de toda a matilha. Mas como bem eles já sabem, a união precisa ser feita envolvendo reais sentimentos se não o risco de tudo dar errado e toda a matilha se sentir traída é grande e com tudo o que rolou naquele momento é quase impossível que ela consiga deixar os sentimentos que tem por Elijah de lado para fazer um "bem maior".

Share on Google Plus

About Wellington Laurindo

Não vive sem música e tem em sua mente uma trilha para cada momento/ período de sua vida. Na vida de seriemaníaco há uns cinco ou seis anos, mas com um background de seriados clássicos desde sua infância. Está deixando a vida ditar por si própria os caminhos que deve seguir e esperando que isso venha dar certo. (@Wellington_Ign)
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário