Parenthood 6x10/6x11/6x12 - How Did We Get Here?/ Let's Go Home/ We Made It Through The Night



Parenthood não é pra qualquer um.


Essa última temporada está sendo trilhada de maneira tão excepcional que nem parece que a série foi cancelada. Gosto de pensar que esse não será um fim, e sim um 'nos vemos por aí', porque vejo a série terminando, mas parece que nós sabemos que a vida dos personagens irá continuar. E espero que a do Zeek não acabe agora.

Esse patriarca sofreu o pão que o diabo amassou nesses três episódios, e consequentemente, sofremos por tabela. Desde ''How Did We Get Here'' em que ele é levado ao hospital, até ''We Made It Through The Night'', nós vimos como a vida é curta (como bem disse Camille para Amber em mais um momento único dessa série), e as coisas podem mudar rapidamente. Zeek sempre foi aquela pessoa durona, forte, só que por baixo de tudo esconde uma pessoa amável. E nessa temporada, esse lado foi muito bem explorado e nos emocionou. O personagem evoluiu de uma tal maneira que fica difícil não se deixar cativar.

Quero destacar os momentos iniciais de ''How Did We Get Here'', em que mostram as reações de cada membro da família ao receber a tão temida ligação, e pudemos notar a diferença de como cada um estava, e com quem estava. Interessante notar que até mesmo Julia não estava só. Não sou uma pessoa que costuma reparar em cada música, porém a trilha desses minutos iniciais estava impecável, deixando a telespectadora chorona aqui com lágrimas nos olhos. Naquele momento pairava a tensão do que iria acontecer, e ainda bem que por enquanto, Zeek está entre nós.

Cada um tem sentido, reagido de uma maneira a doença de Zeek, e pra mim, os mais abalados por tudo isso são Sarah e Camille. A esposa, logicamente, por estar ali a todo momento, e estar todos os dias convivendo com ele. Dá pra ver como ela está sofrendo e chegou um momento em que ela não consegue mais segurar e desabafa com o filho mais velho, rendendo uma cena de perder o fôlego. O triste é que ela apoiou o marido de qualquer maneira, e não podemos ouvir se ela gostaria que ele fizesse a cirurgia. Outro momento memorável foi quando ela e Zeek vão à casa antiga, e dá pra sentir como eles foram felizes.

Quanto a Sarah, nesse último episódio pude ver como ela é sensível e ama o pai. Na cena das fotos, em que ela conversa com a mãe sobre quando saiu de casa, nota-se como ela se arrepende das escolhas feitas na juventude. Ainda sobre essas escolhas, gostei muito de um diálogo entre ela e Amber, em que falam sobre Seth. Incrível como essa mulher fez todo esse trabalho sozinha. O bom é que Amber sabe que terá todo o apoio. O modo como a relação das duas é explorado é muito bem feito. As duas já passaram por todas as fases e hoje atingiram um amadurecimento que não vemos com muita frequência.

Dando uma pausa em toda carga dramática, houve momentos leves e simples, desses de nos fazer felizes, como a reconciliação de Julia e Joel. Confesso que acho Sydney irritante, só que foi muito gostoso de se ver ela sorrindo. Porém, Julia não pode apagar o que ela fez durante o tempo separada, e Joel tinha que entender. Apesar de triste, adorei a ideia de discutir dentro do carro para os filhos não verem. Acho Julia praticamente um modelo de mulher a ser seguida, aquela típica figura moderna, independente, e gostei da forma que ela se manteve na opinião dela. Ao mesmo tempo, é de dar pena ver Joel daquela maneira, com medo de uma discussão e perdê-la de novo.

Um fato que gostei, foi que eles não economizaram nas reuniões de elenco nas mesmas cenas. Foi ótimo ver todos no hospital, como sempre vimos todos juntos. Tivemos até Hank, que achei hilário querendo ajudar, sem saber como. É ótimo ver o desenvolvimento dele, mesmo com todas suas limitações. O pedido de casamento foi a cara dele, no momento errado, todavia, dizendo a coisa certa, pra variar. Parabéns aos diretores, a cena dele desabafando com Joel, justamente o cara que ele invejava, foi ótima. Duvidava que ele pudesse durar nessa última temporada, ainda bem que os roteiristas me enganaram direitinho, e Sarah vai ter seu feliz para sempre com ele.

Voltando as cenas no hospital, sem palavras para a discussão entre Jasmine e Kristina. E curiosamente, mesmo adorando Kristina, acho que Jasmine fez o certo, pena que o resultado não durou. Adam seguiu o lado que achou ser o certo, ouviu conselhos de todos os lados, e parece que Luncheonette chegou ao seu fim. Mais um desses investimentos que fazemos na vida, que não sai como o planejado. Na verdade saiu, por três anos. Gostaria que Crosby realizasse o sonho e continuasse, mesmo sozinho. Resta esperar o que planejam para o caçula.

Não deixaram muita coisa para o último episódio, pois já vimos o nascimento de mais um Braverman, a Chambers Academy indo bem, Max sendo Max, Julia e Joel ao que parece se reconciliando pra valer, Drew sendo um bom neto, e a esperança de um futuro brilhante. O que não deixa a espera pelo último episódio menos agoniante. Ainda falta saber como será o casamento, e o principal: Zeek estará presente?! 


PS: Palmas para a cena na qual Amber presta uma homenagem ao avô ao nomear seu filho como Zeek. Malditos ninjas cortadores de cebolas...
Share on Google Plus

About Mariana Barbosa

Indecisa por natureza, concurseira por escolha e seriadora por amor. O vício por séries começou com Supernatural e One Tree Hill, e a partir daí, não teve mais volta. Atualmente possui mais de 30 séries na grade, e sempre que o Direito dá uma folga, procura mais uma para acompanhar. Além dos seriados, adora Harry Potter, música e livros. (@_marianabarbosa)
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário