Chicago Fire 3x18 - Forgiving, Relentless, Unconditional

"You'll find peace."
Numa sequência de episódios mornos, apesar de todo o fogo, Chicago Fire focou num dos meus personagens preferidos! Seguindo o título, o capítulo falou de perda, da entrega, das coisas que não fazem sentido, dos questionamentos que fazemos a Deus, da nossa falta de entendimento sobre os planos Dele pra, então, nascer a fé. 
"The one thing that I always loved about this job  win or lose, when you rush into a 1.000-degre house fire to save a little boy, you know you're doing the right thing."
Como reagir depois de salvar uma criança de um incêndio, ignorar os chamados de segurança para não morrer junto no resgate, consolar o pai da mesma pra, depois, descobrir que este foi o causador de todo o fogo e, ainda, fazia uso de drogas ilícitas na presença do filho, expondo-o à precariedade e negligência, baforando fumaça de crack em seu rosto? Não é de se admirar que Herrmann tenha pirado! Não digo apenas por ele ser um pai dedicado, mas isto é sensível a todos nós! A busca pelo bairro, por justiça com as próprias mãos foi a maneira encontrada de extravasar a raiva que o consumiu e eu não poderia ficar mais triste com o desfecho do plot. A morte do bebê me deixou com o coração partido, mas a conversa do Chris com o Padre foi a coisa mais linda e especial do 3x18, foi aquilo que não me deixou desistir de acreditar que a série ainda tenha fôlego para terminar a temporada de forma justa.

Sobre Brett e Cruz: ainda bem que acabou logo! Gostei de ponderaram os questionamento sobre estar com 'a pessoa perfeita' e não saber como proceder porque nada satisfaz no relacionamento. Mas o principal é saber se existe amor porque, às vezes, nem o amor é suficiente pra fazer dar certo - Gabby deu a si mesma por exemplo. O mais engraçado foi a insatisfação ser recíproca, o que corta todo o mimimi que poderia surgir e eu concordo que, quando você precisa se esforçar demais pra dar certo com alguém é sinal que algo vai mal. Só que não posso deixar de comentar na cena patética do Otis em "I think i'm in love with Brett" porque nada seria mais sem noção que isso! Obrigada, Casey, pelo choque de realidade dada a seu bombeiro!! 


Descobrimos mais sobre Severide e April: ele foi acolhido na casa dela, tratado com amor pelos seus pais, soubemos mais sobre a adolescência dele e como a mãe saiu de casa por descobrir as traições do pai e toda a complicação que o levou pra vida da Sexton, mas tenho que dizer que a química deles é ótima! No próximo episódio teremos a introdução do Chicago Med, de vez, na trama e, ainda que a minha vontade de acompanhar seja ZERO, acho que este casal vá vingar nas séries. Sobre Mills, achei legal darem um encerramento ao plot do avô - que os deixou um restaurante na Carolina do Norte -, mas essa ligação do médico dizendo que ele está apto a voltar pro Squad me deu preguiça eterna!! 
"Runing into a burning building takes bravery, but it also takes bravery to give the rest up to God." 
Chicago Fire volta apenas dia 07 de abril com um episódio sobre o Hospital de Chicago e mais uma série derivada da série dos bombeiros. Alguém aqui está curioso?
Share on Google Plus

About Vanessa Reis

Hey 23, call me! (@neereis)
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário