Glee 6x12 / 6x13 - 2009 / Dreams Come True (Series Finale)


"See the world not as it is, but as it should be." (Finn Hudson)

São tantas coisas para dizer nessa minha última review de Glee que não sei por onde começar. O que eu sei é que chorei muito com esses dois últimos episódios e não sei se estou pronta para dizer adeus ao seriado e ao personagens. Durante 6 anos eu vivi uma montanha russa com o seriado, pensei em abandoná-lo várias vezes, mas algo me fazia ficar ligado ao show. Quantas vezes me vi cantando músicas antigas graças à Glee; quantas vezes me vi entrando nos sites do fofocas para saber as novidades do seriado. Eu chorei com a morte de Finn, entrei em luto quando Cory Monteith morreu. Shippei Klaine. Shippei Brittana. Desejei que Klaine acabasse de vez mas no fim eu vibrei com os dois juntos. Chorei com Rachel indo à NYADA. Assisti sua estreia na Broadway e desejei milhares de vezes que o New Directions ganhasse as competições. Eu fui parte de Glee porque, talvez, eu também seja uma loser. E agora é hora de dizer adeus e eu nem sei como começar a fazer isso.

O episódio "2009" já iniciou me deixando com aquela sensação de estar revivendo o episódio piloto. Foi um episódio maravilhoso, um grande presente que Ryan Murphy deu para todos os fãs. Mas ele sozinho não teria sentido nenhum. Assim que terminei de assistir a series finale, entrei no netflix e revi o primeiro episódio da série. Bateu aquela saudades enorme e, para mim, parecia que o episódio "2009" tinha sido gravado na mesma época em que o piloto foi ao ar, como se fosse um episódio teste. É claro que eles cortaram as cenas do Finn, mas parecia uma recriação do episódio. Saber que Rachel Berry foi a grande responsável por incentivar Kurt a entrar no Clube de Coral foi bacana. Aliás, ela teve um grande destaque na importância do New Directions. Foi graças a ela que o antigo coordenador sai do coral e Will viu a oportunidade de ensinar tudo o que um dia já aprendeu naquela sala do coral.

Rachel Berry e sua mania de competição trouxeram grandes momentos para o seriado e foi ótimo rever isso no episódio 6x12. Parecia que eu estava revendo a brilhante primeira temporada da série. E era óbvio que aquela antiga Rachel Berry chegaria no lugar que ela chegou hoje. Sua insistência em ganhar a qualquer custo fez com que Kurt, Mercedes, Artie e Tina pudessem entrar ao clube. Aliás, foi muito bom saber que Artie e Tina já eram amigos antes do ND. Conhecer a música que Artie cantou na audição foi maravilhosa e saber que os dois só entraram lá porque fizeram uma aposta deixou as coisas com mais cara de Glee. No quesito clichê o seriado é campeão. Mesmo mimada, Rachel sempre soube reconhecer o talento dos outros e isso a assustava muito. Adorei saber como Rachel e Kurt se conheceram e descobrir que eles estavam destinados a serem BFFs só melhorou as coisas. O dueto dos dois, o primeiro de muitos, aconteceu antes mesmo das audições e Ryan deu um presentão para os fãs dessa amizade que conquistou todos.

Falando no nosso gay favorito, Kurt sempre soube o que ele era. Na adolescência, os adolescentes começam a terem dúvidas sobre a sua sexualidade, uma coisa normal. E essa nova descoberta dele ser gay juntando com os bullings que ele recebia dos valentões do colégio fizeram com que ele pensassem em suicídio. De forma sucinta, Ryan colocou essa bomba para gente no penúltimo episódio da série. Jamais passou pela minha cabeça que Kurt estivesse inseguro, mas foi legal conhecermos um outro lado do personagem e saber que Emma e Rachel fizeram com que ele percebesse quem ele realmente era. Esse medo dele não contar para o pai sobre a sua homossexualidade gerou muitas cenas lindas na primeira temporada e foi bacana rever isso. Aliás, só um bom professor consegue ver quem é o aluno de verdade. Mr. Schue soube na audição que Kurt era gay e mesmo assim o apoiou várias e várias vezes. Um exemplo de professor!

Quando você pensou que não haveria mais surpresas e que suas lágrimas acabariam ali, com Rachel, Kurt, Mercedes, Artie e Tina discutindo se Finn deveria voltar ao clube e Will se despedindo do colégio, não é que Ryan nos destrói por completo ao colocar a primeira apresentação do grupo com a música ícone da série, "Don't Stop Believin' "? Não é para matar qualquer um do coração e chorar revendo Finn e sua voz que combinou perfeitamente com Rachel? Pois bem, eu já estava soluçando até não poder mais e desejando que o tempo parasse naquela momento porque eu não estaria pronta para dizer adeus para a série, para assistir ao último episódio de Glee. Mas eu fiz porque sou teimosa e posso dizer que não me arrependi nenhum pouco. Só tenho que aplaudir Ryan e sua equipe pelo belíssimo presente dessa última temporada, que me fez re acreditar na magia do seriado.


Se o episódio "2009" foi nostálgico, o episódio seguinte foi esperançoso. Sabe quando você assiste aquele filme água com açúcar e vê que no final tudo dá certo? Pois bem, "Dreams Come True" foi o conto de fadas de Glee. O fato de Will ter aceitado a difícil tarefa de ser o professor do coral deu a ele grandes oportunidades e um merecido reconhecimento. Ele finalmente conseguiu que o William McKinley High School fosse reconhecido como um colégio de artes e, por isso, virou o novo diretor. Para passar o seu bastão, ele deixou Sam como novo Professor do ND e mudou o rumo de novos aspirantes a astros. Demorou 6 anos para que ele pudesse ser reconhecido e quando esse momento chegou valeu a pena. Ele é um professor exemplar; escuta os alunos; ensina; dá atenção. Pode não ser perfeito, mas quem é? Um dia quero ser tão importante como ele, pois ele sim mostrou o verdadeiro significado de ensinar. Willian Schuester você fará falta!

Eu sempre disse que Glee conseguiu passar a lição que tinha que passar, mesmo diante de tantos clichês, e esse último episódio foi um exemplo de tudo o que eu sempre disse. Mesclando com o presente e o futuro de nossos protagonistas, pudemos ver que em 2020 todos que passaram pelo ND tiveram seus sonhos realizados. E ao contrário de Will, Sue Sylvester mostrou que por de trás de uma mulher durona existe um coração. A sua maneira de ensinar pode ser totalmente reprovada, mas ela conseguiu passar o que tinha que passar. Sua amizade com Becky nos conquistou e foi muito lindo saber que as duas continuam amigas e parceiras do crime. Saber que Sue é a nova Vice Presidente dos EUA não foi nenhuma surpresa, pois já imaginava que seu jeito rústico de ser a levaria longe e numa carreira política. Ela aprendeu com seus erros, mas acima de tudo ela nunca foi contra as artes; ela só valorizava as artes de outra maneira. E encerrar o episódio com o discurso dela, homenageando o auditório de Finn Hudson foi de cortar o coração. Sim, nessa hora eu já estava aos prantos esperando os minutos finais para me despedir.

Como toda história de contos de fadas, Klaine teve seu happy ending do jeito que tinha que ser. Com Rachel como barriga de aluguel, os futuros papais quebraram a barreira em Ohio e continuaram fazendo isso em NY. Num casamento, na verdade em qualquer relacionamento, para dar certo ambos devem ceder em algum momento e Blaine e Kurt aprenderam com seus erros e conseguiram mostrar que duas pessoas do mesmo sexo podem ser felizes juntos. É claro que faltou Brittana para saber como anda o casamento das duas, mas eu perdoo porque esse episódio foi tão lindo que compensou as falhas que a série teve durante essas 6 temporadas! E no final deu Tina e Artie. Alguém ainda shippava os dois?

Demorou, mas Blaine aprendeu a usar o gel no cabelo, rs!
Outro final feliz foi o de Mercedes. A nossa amada diva R&B conseguiu abrir os shows de Beyoncé. Famosa, rica e mostrando o seu talento para o mundo, Mercedes Jones agradeceu a todos pelo apoio e provou que mulheres gordas e, ou negras podem ser sucesso. Existem vários tipos de belezas, mas a melhor beleza é a interior e essa Mercedes sempre teve. Infelizmente, não deu Samchel ou Samcerdes. Sam ficou sozinho (Sam eu também estou solteira) liderando o ND e mostrando aos novos alunos que o Country também tem seu poder no ramo musical. E bastou Sam citar Country que eu me toquei que o seriado nunca teve um episódio exclusivamente dedicado a esse estilo musical. Uma pena, porque seria muito legal escutar os personagens cantando e se vestindo a caráter. 

Lembram quando uma menina dizia que ganharia um prêmio Tonny antes de fazer 25 anos? Pois bem, Rachel Berry conseguiu isso. E merecidamente. Ela pode até ter se casado com Jesse, mas nós sabemos muito bem que o destino dela é os palcos. O que ela disse ao ganhar o Tonny foi muito lindo e profundo. Uma realização merecida e uma homenagem ao nosso amado Professor Willian Schuester. Grávida, linda, rica e com os melhores amigos que alguém possa ter, nem parece aquela Rachel que conhecemos no 1º episódio da série. Ela amadureceu, cresceu e mostrou que ela só agia daquele jeito porque não tinha amigos. Rachel Berry mereceu esse prêmio, mas ela não chegaria onde chegou se não fossem pelos amigos e pelo melhor professor que ela teve. "Being a part of something special does not make you special, something is special because you're part of it." 

E com as belíssimas palavras da Vice Presidente dos EUA, Sue Sylvester, e com a linda música de OneReplublic, Glee se despede de nós, mostrando que a música é importante, que a arte é importante, que o que você é importa. Nunca deixe de acreditar. Lute. Se apaixone. Se arrisque. Viva a vida da melhor maneira possível e acredite nos seus sonhos porque um dia você verá que eles se realizaram. Não importa a sua cor, sexo, religião, crença. O que importa é o que você faz. Glee fará falta, mas o seriado conseguiu transmitir o que tinha que passar. E essas 6 temporadas, esses personagens e as músicas continuarão nas nossas memórias para sempre. Obrigada a todos por fazerem parte dessas reviews e eu dedico essa última review a todos os fãs e gleeks. 


"I owned every second that this world could give (...) I swear I lived" (OneRepublic)
Share on Google Plus

About Gabriella Siggia

Formada em Direito, eterna estudante, bem humorada, alto astral e alegre, mora em São Paulo. Viciada em músicas, filmes e seriados americanos. Seriemaníaca de carteirinha! Mantém um blog pessoal em : http://gabyscseries.blogspot.com/ (@gabyever)
    Blogger Comment
    Facebook Comment

3 comentários:

  1. Vi hoje o final, depois de ter largado a série na 3 temporada e CHOREI A VIDA!!
    Lindo seu texto, amiga! <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thanks... acho q foi difícil alguém segurar as lágrimas

      Excluir
  2. Chorei igual criança... Muito legal ver todo mundo que fez parte do glee no final. A homenagem ao Cory através do Finn também. Vai fazer falta. É uma nova era pra eles e pra mim também.

    ResponderExcluir