Grey's Anatomy 11x18 - When I Grow Up

The moment.

"O que você vai ser quando você crescer?" essa poderia ser a pergunta de 1 milhão de dólares. Será que conseguimos ter a coragem necessária de insistir e acreditar naquilo que nosso coração anseia? Será que temos força suficiente para perseguir nossos sonhos? O 11x18 levou um grupo de crianças do ensino primário a uma excursão pelo hospital e, entre a desenvoltura (ou não) dos médicos no que diz respeito aos ilustres convidados, as tragédias que sempre rondam o SGMH e o regresso da felicidade MerDer, fomos levados a uma bela campanha sobre a doação de órgãos e a importância de tentar salvar a vida de alguém, diariamente, à nossa maneira.

"I'm just so blessed," resumiu uma Meredith feliz - na primeira cena - sobre a volta do marido ao convívio familiar e como a sintonia deles não poderia estar melhor: fiz a mesma cara da Pierce de quem quer sair urgentemente do local pra não ser consumida pela inveja de não estar num momento tão bom. Senti falta de cenas entre os dois (apesar de ter ouvido trocentos 'eu te amo' não ditos enquanto Derek contava pra Julie sobre quão incrível sua esposa era) e tenho plena certeza de que este é o 'arco-íris antes do furacão'. Ele não contou sobre o beijo dado na Renee. Ele saiu de DC esquecendo suas chaves e seu celular (isso dele ainda voltar lá para resolver pendências deixa aberta a possibilidade deles encontrarem-se novamente? Dele não correspondê-la? Dela interpretar conforme seu coração?). Ela, pra mim, mostrou um traço explosivo (vide cena da caneca na pia do laboratório) e eu estou tentando me enganar, mas acredito que Renee chegará em Seattle daqui pro final da temporada e trará problemas pro meu OTP.

Quando o trio de policiais deu entrada no PS eu já segurei a respiração. Imaginei que o fim seria trágico - a começar pela criança prestando muita atenção no sangue sendo expelido - mas não imaginava que dois irmãos fossem sofrer morte cerebral ao mesmo tempo! Não consegui sequer me colocar no lugar da mãe deles!! E quando o garoto de 15 anos, então responsável pela morte dos dois, precisou do fígado para sobreviver, imaginei o desfecho que seguiu. Não serei hipócrita em dizer que permitiria facilmente que o órgão do meu filho fosse destinado àquele que ceifou-lhe a vida, mas aplaudi a competência de Bailey. Não somos juízes e, enquanto médicos, eles precisavam tentar todos os recursos possíveis a fim de salvar uma vida. É aquela máxima do tratamento universal sem considerar a história ou antecedentes. Confesso que fiquei menos insensível ao plot apenas depois do Dan Pruitt (interesse novo da Callie? Eu senti uma química maravilhosa!) contar sobre o acusado e o fato de que eles o conheciam, levaram-no ao reformatório, pro lar adotivo, inseriram-o no sistema na tentativa de tirá-lo do crime e, aquela era a segunda chance recebida; "The Moment." - tão triste a cena das viaturas saindo cada uma com um órgão dos policiais mortos! Mas tão simbólico saber que 37 outras pessoas receberam segundas chances e vão sorrir por causa do pranto de outro alguém...

Voltando a falar do McDreamy, o retorno dele como subordinado da Amelia é algo que eu preciso abrir bastante os olhos para acompanhar (pra onde foi todo o seu orgulho, amigão?) e eu espero que essa serenidade não seja apenas uma fase porque adoro a interação deles! Aquela cena final dos Shepherds conversando e ele disposto a estar presente como pai e marido atuante, como o irmão mais velha dela, a estar feliz por salvar vidas e reconhecer que, isto, basta... Foi lindo!! Resta a dúvida se na pescaria o assunto principal será o fato de Owen estar 'entrando pra família' - algumas pessoas acharam rápido demais ela dizer-se apaixonada pelo Hunt mas quantos de nós nos envolvemos tão perdidamente e fingimos não sentir? Amelia apenas deu voz ao que sente e eu a admiro por isso! Preciso dizer que Alex, a cada dia, me surpreende mais no amadurecimento - coisa mais adorável com as crianças mesmo mostrando raio-x de prego na cabeça - e Edwards aventurando-se pelo Tinder (ou com um garoto de 17 anos) me fez rir demais e deu uma balanceada no aperto do peito durante o episódio.

                                   

Mas tenho de comentar sobre a minha cena preferida e meu amor por alguém que, diariamente, fica maior pra mim: Jackson Avery! O que foi ele costurando os corpos dos policiais pra entregar uma última imagem pra família a fim de dar-lhes uma despedida apropriada? Ele tem um coração enorme e quando citou o Sloan eu confesso que chorei. Jackson quer passar o legado do Sloan pra alguém, ele quer ter a chance de ser o Mark pra outra pessoa e poder despertar algo nos outros que nem ele próprio sabia ter em si mesmo! Plastics Posse (Esquadrão da Plástica) me mata de saudade e eu gostaria de encerrar o texto fazendo uma homenagem aos dois!


PS.: Segundo episódio desde a volta do Derek, segundo paciente da Grey morto. Coincidência?
PS².: Você pode ver a promo do próximo episódio - e entrar no buraco de nostalgia - clicando aqui.

Melhores Quotes:

"I think I'm falling in love with Owen Hunt, and I'm really afraid that it's gonna destroy me." (Amelia) / "It wouldn't be love if it didn't." (Derek)

"He's different. I don't know how to explain it, but I think he realizes what makes him happy and he's choosing it. And that makes me happy. I think this is his moment." (Meredith)
Share on Google Plus

About Vanessa Reis

Hey 23, call me! (@neereis)
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário